30 março 2007

O Simbolismo Profético da Páscoa

O Simbolismo Profético da Páscoa

“Para os cristãos, a Páscoa contém rico simbolismo profético a falar de Jesus Cristo. O NT ensina explicitamente que as festas judaicas “são sombras das coisas futuras” (Cl 2.16,17; Hb 10.1), i.e., a redenção pelo sangue de Jesus Cristo. Note os seguintes itens em Êxodo 12, que nos fazem lembrar do nosso Salvador e do seu propósito para conosco.

(1) O âmago do evento da Páscoa era a graça salvadora de Deus. Deus tirou os israelitas do Egito, não porque eles eram um povo merecedor, mas porque Ele os amou e porque Ele era fiel ao seu concerto (Dt 7.7-10). Semelhantemente, a salvação que recebemos de Cristo nos vem através da maravilhosa graça de Deus (Ef 2.8-10; Tt 3.4-5).

(2) O propósito do sangue aplicado às vergas das portas era salvar da morte o filho primogênito de cada família; esse fato prenuncia o derramamento do sangue de Cristo na cruz a fim de nos salvar da morte e da ira de Deus contra o pecado (12.13,23,27; Hb 9.22).

(3) O cordeiro pascoal era um “sacrifício” (12.27) a servir de substituto do primogênito; isto prenuncia a morte de Cristo em substituição à morte do crente. Paulo expressamente chama Cristo nosso Cordeiro da Páscoa, que foi sacrificado por nós (1 Co 5.7).

(4) O cordeiro macho separado para morte tinha de ser “sem mácula” (12.5); esse fato prefigura a impecabilidade de Cristo, o perfeito Filho de Deus (Jo 8.46; Hb 4.15).

(5) Alimentar-se do cordeiro representava a identificação da comunidade israelita com a morte do cordeiro, morte esta que os salvou da morte física (1 Co 10.16,17; 11.24-26). Assim como no caso da Páscoa, somente o sacrifício inicial, a morte dEle na cruz, foi um sacrifício eficaz. Realizamos em continuação a Ceia do Senhor como um memorial. “em memória” dEle (1 Co 11.24).

(6) A aspersão do sangue nas vergas das portas era efetuada com fé obediente (12.28; Hb 11.28); essa obediência pela fé resultou, então, em redenção mediante o sangue (12.7,13). A salvação mediante o sangue de Cristo se obtém somente através da “obediência da fé” (Rm 1.5; 16.26).

(7) O cordeiro da Páscoa devia ser comido juntamente com pães asmos (12.8). Uma vez que na Bíblia o fermento normalmente simboliza o pecado e a corrupção, esses pães asmos representavam a separação entre os israelitas redimidos e o Egito, i.e., o mundo e o pecado. Semelhantemente, o povo redimido por Deus é chamado para separar-se do mundo pecaminoso e dedicar-se exclusivamente a Deus”.

Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal.

Debate pré-moldado

Debate pré-moldado

Olavo de Carvalho
Jornal do Brasil, 29 de março de 2007

“Moldar o debate” é a técnica usada por grupos de interesse para impedir que as discussões públicas apreendam a substância dos problemas e canalizá-las numa direção forçada, postiça, previamente calculada para servir aos objetivos do grupo.

Nos anos 70, essa técnica tirou os EUA do Vietnã, deixando o caminho livre para que os comunistas assassinassem três milhões de civis ali e no vizinho Camboja. O truque foi desviar a discussão do problema central -- a ameaça vietcongue – e concentrá-la no estereótipo da “paz”. A paz acabou matando quatro vezes mais gente do que a guerra, mas quem liga para isso?

Pelos mesmos meios foi liberado o aborto, escamoteando a questão essencial – o que é e como se faz um aborto – e fixando o debate na “liberdade de escolha”. Com ajuda de estatísticas falsas (o número de mulheres mortas em abortos ilegais nos EUA foi artificialmente esticado de 250 para dez mil por ano), a militância abortista dessensibilizou a opinião pública para o fato de que se tratava de matar, por meios inconcebivelmente cruéis e dolorosos, milhões de crianças aptas a sobreviver fora do ventre de suas mães a partir do quinto mês de gestação.

Uma nova fraude em massa está em vias de se consumar, agora no Brasil, pelo uso do mesmo engodo. O movimento gay planeja tornar o homossexualismo, por lei, a única conduta humana superior a críticas. É a pretensão mais arrogante e ditatorial que algum grupo social já acalentou desde o tempo em que os imperadores romanos se autonomearam deuses. Aprovada a PL 5003/2001, os brasileiros poderão falar mal de tudo – dos políticos, dos vizinhos, do capitalismo, da religião, de Deus, do diabo. Mas, se disserem uma palavra contra aquilo de que os homossexuais gostam, irão para a cadeia.

Esse é o sentido da lei, essa é a substância da proposta. Mas é proibido discuti-la. É obrigatório ater-se à escolha estereotipada entre “homofobia” e “anti-homofobia” . Homofobia, a rigor, é um sintoma psiquiátrico raríssimo. Quantas pessoas você conhece que têm horror aos homossexuais ao ponto de querer surrá-los ou matá-los pelo simples fato de serem homossexuais? Fazer da “homofobia” o centro do debate é obrigar todo mundo a chamar por esse nome pelo menos três coisas que não têm nada a ver com homofobia: a repulsa espontânea que a idéia de relações com pessoas do mesmo sexo inspira a muitos heterossexuais, repulsa que não implica nenhuma hostilidade ao homossexual enquanto pessoa e aliás é análoga à que tantos homossexuais têm pelo intercurso hetero, sem que ninguém os chame de “heterofóbicos” por isso; as objeções religiosas ao homossexualismo, que vêm junto com a proibição expressa de odiar os homossexuais; e a oposição política às ambições do grupo gay , tal como exemplificada neste mesmo artigo. Reunir tudo isso sob o nome de “homofobia” já é criminalizar a priori qualquer resistência ao desejo de poder da militância homossexualista, já é impor a lei antes de aprovada, manietando o debate por meio da intimidação e da chantagem. É embuste consciente e premeditado. A mídia nacional quase inteira é culpada disso.

22 março 2007

A televisão brasileira e a pornografia

Pastor Airton Evangelista da Costa

http://www.opovo.com.br/opovo/ internacional/ 674847.html



Com o título "A Sodomização do Brasil", o site mídia sem máscara divulgou artigo assinado por Carlos Reis, de 12 de fevereiro último, em que sintetiza o patamar a que chegou a pornografia na televisão brasileira.

Vejam: "Como exemplo final da degeneração da moral brasileira, cito o programa do SBT Aprendendo Sobre Sexo, levado ao ar nos domingos pela psicóloga, mestre em Saúde, e soi disant sexóloga, Carla Cecarello. No programa de ontem (11/2), que casualmente assisti, e com uma brutal surpresa, essa tipa deu um show de safadeza. Perguntada por um gay que confessava fazer sexo com seu próprio pai e que parecia apenas preocupado com o uso da camisinha, a sexóloga sabichona deitou falação sobre os benefícios da dita cuja na prevenção da Aids, não dando a mínima para a aberração que os telespectadores acabavam, estupefatos como eu, de ouvir ela ler! Logo em seguida essa sexóloga dos oprimidos, que não me espantaria se não estivesse a soldo da ONU e sua infame OMS (Organização Mundial de Saúde), mostrou-se muito preocupada em como proteger da Aids um cavalo, dos assédios sexuais de uma telespectadora! Sodomia e incesto é normal na TV brasileira e na sociedade brasileira abestalhada" .

Nessa programação pornográfica a apresentadora ensina como iniciar uma relação anal. É repugnante. Sabemos que isso é apenas o começo. Na medida em que não existe qualquer tipo censura na mídia, e em que o Governo projeta distribuir um manual sobre sexo, mas sem compromisso com a moral e os bons costumes; na medida em que o Governo projeta instalar fabriquetas de camisinhas nas escolas públicas, tudo disponível a meninos e meninas a partir de treze anos - e quem impedirá que crianças com menos idade tenha acesso a esse material? -, o caminho está oficialmente aberto aos progressistas de plantão.

A erotização de nossos adolescentes, mais propriamente de nossas crianças, está em progresso. A gravidez precoce já alcança crianças a partir dos dez anos.

Leiam: "De acordo com levantamento do Ministério da Saúde, o número de partos realizados pelo SUS (Sistema Único de Saúde) registra crescimento desde 1996, ano em que aconteceram 638.087 nascimentos de filhos de adolescentes - 22,34% dos partos no país, que chegaram a 2.856.255. Em 1999, o número chegou a 712.915 partos entre adolescentes de 10 a 19 anos".

Parece mesmo que a televisão não consegue sobreviver sem programas sobre sexo. Não ficarei surpreso se a TV Record, vinculada à Igreja Universal do Reino de Deus, ingressar nessa onda. Já começou a dar cobertura ao carnaval. As barreiras vão sendo quebradas aos poucos. E o povão aceita e assimila. Mas a Igreja do Senhor Jesus Cristo não aceita e não assimila. A Igreja é o único baluarte contra as pretensões dos imorais. É o único grito de alerta, de repúdio e de resistência.

PASTOR AIRTON EVANGELISTA DA COSTA, da Assembléia de Deus Palavra da Verdade.

20 março 2007

A sociedade que se dane (Recebido por E-mail)

A sociedade que se dane.

Ontem de manhã no caminho para trabalho liguei o rádio, como sempre faço, e coincidentemente, era o exato momento em que começa o comentário do Cony e do Xexéo na CBN.

O Heródoto Barbeiro, ancora do programa, perguntou a ambos articulistas sobre a postura do Papa Bento XVI em confirmar a posição dogmática da igreja Católica com referência a assuntos polêmicos como aborto, homossexualismo, segundo casamento e celibato.

Com certeza havia uma grande expectativa dos movimentos liberais em relação a postura do Pontífice, mas a posição do mesmo não foi surpresa, visto ser conhecida sua história na igreja. O hoje Bento XVI já foi o cardeal Joseph Ratzinger , prefeito da Congregação para doutrina da Fé, nome, como passou a ser chamado o antigo "Tribunal da Santa Inquisição".

Confesso que me surpreendi com a postura do Cony. Não o conheço, não sei da sua história, mas o preconceito atrapalha a visão e sempre enxerguei escritores e jornalista como liberais.

O Cony diz que não existe nada de novo, e que Bento XVI apenas confirmou uma postura adotada pela igreja já em vinte séculos. Eis algumas frases interessantes do mesmo:

"...é católico quem quer, num é quem pode não, é quem quer...";

"...se for fazer adaptações a cada época, vira o programa do Faustão..."

"...se a igreja não fizesse isto não teria durado vinte séculos..."

Em determinado momento, Heródoto Barbeiro pergunta:
_Mas não há uma adequação a sociedade?

Ele finaliza:

"...a sociedade que se dane..."

"...a sociedade não é flor que se cheire..."

Depois disto, ainda insistindo, o Heródoto Barbeiro perguntou:

_Isto não é fundamentalismo não?


E chegamos aqui onde eu queria chegar.

A sociedade de um modo geral, a fim de "matar os carrapatos, acabou matando os bois". A fim de legitimamente, buscar a democracia e a liberdade e se posicionar contra os atentados contra a vida, acabou por sua vez rotulando de fundamentalista todos aqueles que possuem uma crença e pensem diferente do ponto de vista liberal desta mesma sociedade.

Antes, uma mulher ser dona de casa era algo bom, hoje se é visto como retrógrado e careta. As mães preparavam suas filhas para serem mães e donas de casa e isto era normal. Hoje as mães preparam suas filhas para serem profissionais e disputar mercado com os homens e de forma alguma, querem ter uma filha dona de casa. Uma mulher, dona de casa, que questionada sobre
profissão, sente-se constrangida em ter que declarar: "do lar" , visto os olhares de censura.

Não cabe aqui um juízo de valor sobre a liberdade que uma pessoa tem de escolher o que quer para sua vida. Isto é legítimo. Agora, o que não se pode é rotular alguém de "careta" ou "retrógrado" por que esse alguém, usou essa mesma liberdade de escolha pela qual lutaram os liberais para permanecer igual. A opressão apenas mudou de lado. Queremos a liberdade de poder escolher ser diferente, mas essa mesma liberdade vale apenas para nós, ou para aqueles que nos são iguais.

Não entendo por que alguém que possuí uma crença é tachado de fundamentalista. O direito a crença e fé é algo previsto na constituição federal, cabendo até o agravante de que o estado é laico, sendo assim, não pode julgar nada referente a fé.

Essa palavra fundamentalista logo me faz vir a mente aqueles malucos que em nome de "Alá" ou de "Deus" , atam bombas no corpo e se explodem levando alguns inocentes mortos.

Por que penso isto? Por que criaram uma imagem da palavra fundamentalista, dando a ela, um sentido diferente do que é. Fundamentalista é aquele tem fundamentos. Fundamentos são bases sólidas em que se constroem coisas em cima. Do ponto de vista religioso, fundamento são as doutrinas e fundamentalistas são pessoas que seguem e lutam por essa doutrina e isto em nada tem a ver com os malucos "auto-explosivos".

Dia desses, um pastor Batista em Goiânia foi obrigado a realizar uma cerimônia de casamento, sob pena de ser preso caso não cumprisse a ordem de um juiz. A alegação era que ele estava discriminando a noiva, ao ser recusar em casar a mesma. A "justiça" então, resolve preservar o direito da noiva de não ser discriminada. O pastor argumentou que realizar o casamento feria
a doutrinas da sua fé, as suas bases de crença.

Não vou entrar no mérito da causa em si, mas quero perguntar sobre o direito a crença" do pastor e daquela comunidade, direito este previsto na constituição que foi ferido pelo estado, que é laico, ou seja, não tem condição de legislar sobre crença. Onde ficou tal direito?

Por que um cristão que tem sua fé baseada na bíblia não pode afirmar que o homossexualismo, segundo a bíblia é pecado? Por que esse mesmo cristão, que tem sua fé baseada na bíblia, não pode afirmar que o aborto é pecado? Ora bolas, por que o pobre do cristão não pode afirmar que o casamento, segundo sua crença bíblica é indissolúvel é outro casamento pecado?

Por que, dentro de nossas igrejas ou religiões, teremos que pregar uma fé que agrade a tal sociedade, e quando não agradar, o peso dos chicotes que dantes batiam nas costas dos que clamavam por liberdade, agora, baterão nas nossas costas, sendo empunhados pelas mãos destes mesmos, que clamavam por liberdade? Por quê ?

Com certeza, os pontos de vista de papa Bento XVI, bem como o ponto de vista de qualquer outra igreja cristã ou outra crença e fé, talvez pareçam inadequados diante da atual sociedade.

A minha liberdade de crença, e a expressão da minha crença, deve ser respeitada, na mesma medida em que se é respeitada a liberdade de ação de qualquer indivíduo da sociedade, e cabe este papel ao estado também.

Ninguém é obrigado a seguir nenhuma religião. Ninguém é obrigado e freqüentar nenhuma igreja, mas uma vez que livremente faz essa opção, deve estar sujeito as normas, regras e crenças da instituição a qual se filiou.
Se essas doutrinas não lhe agradam , cabe aos mesmo cair fora.

Teria, a minha fé e crença, ter que se adequar a sociedade? A fé existe para mudar a sociedade ou a sociedade existe para mudar a fé?

Enfim, parafraseando o Cony, "a sociedade que se dane, ela não é flor que se cheire".


Iverson
Curitiba 15/03/07

Tem Mais Blogs no ar!!!

Você que sempre acessa o meu blog Hasbadana, agora tem outras alternativas para visitar.
Veja o meu Blog sobre Seitas, Religiões e Heresias: http://seitas.blogspot.com/ e também o de Liderança Cristã: http://eticaeliderancacrista.blogspot.com/

Não deixe de acessar!

Se você é aluno do cursos de Liderança e Ética Cristã e do de Religiões, Seitas e Heresias da Escola de Teologia Rev. Celso Lopes, não deve perder...

Contra o Aborto!

19 março 2007

Água ou Coca-cola?

ÁGUA

Um copo de água corta a sensação de fome durante a noite para quase 100% das pessoas em regime.

É o que mostra um estudo na Universidade de Washington.

Falta de água é o fator nº. 1 da causa de fadiga durante o dia.

Estudos preliminares indicam que de 8 a 10 copos de água por dia poderiam aliviar significativamente as dores nas costas e nas juntas em 80% das pessoas que sofrem desses males.

Uma mera redução de 2% da água no corpo humano pode provocar incoerência na memória de curto prazo, problemas com matemática e dificuldade em focalizar um écran de computador ou uma página impressa.

Beber 5 copos de água por dia diminui o risco de câncer no cólon em 45%, pode diminuir o risco de câncer de mama em 79% e em 50% a probabilidade de se desenvolver câncer na bexiga.


Você está bebendo a quantidade de água que deveria, todos os dias?

Coca-Cola

Em muitos estados nos EUA as patrulhas rodoviárias carregam dois galões de Coca-Cola no porta-bagagens para serem usados na remoção de sangue na estrada depois de um acidente.

Se você puser um osso numa uma tigela com Coca-Cola ele se dissolverá em dois dias .

Para limpar casas de banho: despeje uma lata de Coca-Cola dentro do vaso e deixe a "coisa" decantar por uma hora e então dê descarga.

O ácido cítrico na Coca-Cola remove manchas na louça.

Para remover pontos de ferrugem dos pára-choques cromados de automóveis esfregue o pára-choques com um chumaço de papel de alumínio (usado para embrulhar alimentos) molhado com Coca-Cola.

Para limpar corrosão dos terminais de baterias de automóveis despeje uma lata de Coca-Cola sobre os terminais e deixe efervescer sobre a corrosão.

Para soltar um parafuso emperrado por corrosão aplique um pano encharcado com Coca-cola sobre o parafuso enferrujado por vários minutos.

Para remover manchas de graxa das roupas despeje uma lata de Coca-Cola dentro da máquina com as roupas com graxa, adicione detergente. A Coca-cola ajudará a remover as manchas de graxa.

A Coca-cola também ajuda a limpar o embaçamento do pára-brisa do seu carro .

Para sua informação:
O ingrediente ativo na Coca-Cola é o
ácido fosfórico.

Seu PH é 2,8. Ele dissolve uma unha em cerca de 4 dias.

Ácido fosfórico também rouba cálcio dos ossos e é o maior contribuinte para o aumento da osteoporose. Há alguns anos, fizeram uma pesquisa na Alemanha para detectar o porquê do aparecimento de osteoporose em crianças a partir e 10 anos (pré-adolescentes). Resultado: Excesso de Coca-Cola, por falta de orientação dos pais.

Para
transportar o xarope de Coca-Cola , os caminhões comerciais são identificados com a placa de Material Perigoso que é reservado para o transporte de materiais altamente corrosivos.

Os distribuidores de Coca-Cola têm
usado a Coca para limpar os motores de seus caminhões há pelo menos 20 anos.

Mais um detalhe: A
Coca Light tem sido considerada cada vez mais pelos médicos e pesquisadores como uma bomba de efeito retardado, por causa da combinação Coca + Aspartame, suspeito de causar lúpus e doenças degenerativas do sistema nervoso.

A pergunta é:

"Você gostaria de um copo de água ou um copo de Coca-Cola?"


13 março 2007

Pensamentos de Vitória

"O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades, fortes e mui grandes; e também ali vimos os filhos de Anaque (…) e éramos aos nossos olhos como gafanhotos e assim também éramos aos seus olhos." "(Números 13:28,33)

Se você quer ser vitorioso, não se assuste diante do tamanho dos seus problemas e desafios, como fizeram os israelitas. Quando nos propomos a lutar para alcançar os nossos objetivos, deparamo-nos sempre com barreiras imensas. O desafio, disse certa vez o escritor Noelle Evans, "é um dragão com um presente na boca. Dome o dragão e o presente será seu".

Ore ao Senhor pedindo-lhe coragem, fé e disposição para lutar por seus objetivos. Enfrente os gigantes da vida. Pense no que aconteceu ao patriarca José, que foi vendido como escravo para o Egito. Ele pagou por um crime que não cometeu. Contido, graças à sua fidelidade a Deus, foi grandemente abençoado, sendo elevado à posição de governador do mais poderoso império da época.

Inspire-se na coragem de Davi, que com uma simples pedra conseguiu matar o gigante Golias. Inspire-se na coragem e na fé de Gideão, que com apenas 300 homens venceu os midianitas, que mais pareciam gafanhotos em multidão. Seus camelos eram inumeráveis como a areia que há na praia (Juízes 7.12).

Seja otimista, mantenha-se firme na fé, e você alcançará a vitória em Cristo Jesus.

Sal da Terra e Luz do Mundo

Moisés Vieira(*)

Deus usa com perfeição na Bíblia Sagrada, várias analogias e simbologias. È uma maneira prática, simples e didática de ensino. Prática e simples, pois eram usados elementos do uso cotidiano, coisas ou objetos de conhecimento pleno. Didático, pois era facilmente memorizado pelo método associativo.
No caso de comparar os discípulos ao Sal e a Luz, constatamos o que foi colocado acima, e passamos a destacar os ensinamentos de Jesus, transmitidos através dessas analogias.
Em relação a Luz destacamos:
  1. É o oposto de trevas. Jesus está afirmando que quem é discípulo não tem parte com trevas, pois é o oposto desta.
  2. Prevalece sempre contra as trevas. É importante destacar isso, pois alguns cristãos, por acharem que estão com “pouca luz” temem as trevas. Já ouvi afirmações do tipo: “Ah, eu ainda sou tão fraquinho” (como se a nossa força viesse de nós mesmos...), ou ainda, “eu sei tão pouco”. Jesus nos afirma que somos luz, e uma experiência simples para constatarmos o quanto a luz prevalece contra as trevas, nós podemos fazer: Escolha um ambiente bem grande e escuro (uma “grande treva”) e acenda um palito de fósforo (veja que é apenas uma pequenina chama de luz), e logo, onde está aquela luza o ambiente fica claro, ou seja, não há mais trevas. È importante frisar que se tratava apenas de uma pequenina chama de luz.
  3. Embora pouco destacado nos sermões, a luz varia a sua intensidade. Ressaltamos que mesmo sendo luz de mais baixa intensidade, não deixa de ser luz, como vimos no tópico anterior, mas, Deus nos quer sendo luz de alta intensidade... Um farol marítimo, que ilumina não só aquele ambiente em que se encontra, mas atinge grandes distâncias. Sua “intensidade” pode ser vista de longe! Ajuda outros a se guiarem! Atrai outros para sua direção!
Em relação ao Sal destacamos:
  1. Dá sabor as coisas. Aonde o sal chega, ele “muda o ambiente”.
  2. Tem características de dar sede. Assim, como o “sal comum” dá sede de “água comum”, o “sal espiritual” (discípulo) dá sede da “água espiritual” que é Jesus!
  3. Tem capacidade de manter saudável o alimento. O sal ao entrar em contato com o alimento evita que este se deteriore. Essa também é uma experiência simples, que qualquer um pode fazer em casa. Pegue dois pedaços de carne, separe-os em dois recipientes, e coloque sal apenas em um. Acompanhe nos dias seguintes a diferença entre eles, e o quanto a ação do sal foi determinante. A experiência não pode demorar muito tempo, pois a carne que está sem a proteção do sal não agüenta muito tempo não!
  4. Outra coisa pouco falada sobre o sal, é que não pode ficar estático. Se uma “porção” de sal fica muito tempo parado no mesmo lugar, ele transmite salinidade ao solo e o infertiliza (é só perguntar para os agrônomos sobre isso). Jesus ensina-nos, portanto que não podemos ficar imóveis, ou seja, nos coloca a necessidade do IDE!

(*) Moisés Vieira, é Engenheiro, Presbítero da Igreja Presbiteriana do Farol e aluno co Curso de Teologia da Escola de Teologia Reverendo Celso Lopes. (Redação proposta no Curso de Liderança e Ética Cristã)

03 março 2007

ADVERTÊNCIA SÉRIA!!!

ADVERTINDO! Leia isto e preste atenção aos vídeos! Há seis meses este homem proclamou-se para ser Jesus Cristo. Agora diz que é o anticristo E MOSTRA ORGULHOSAMENTE A TATTOO 666 em SEU BRAÇO. E mostra apliques de 666 na parte dianteira e na parte traseira de sua roupa. PARA APRENDER MAIS SOBRE ESTE que se AUTO-PROCLAMOU JESUS CRISTO E AGORA O ANTICRISTO clique neste link: http://www.cegenglish.com ou em espanhol: http://www.creciendoengracia.com/
VOCÊ VERÁ SEUS SEGUIDORES COMEÇAREM A TATUAREM 666 EM SEUS CORPOS! Sua igreja tem agora filiais dentro em 20 países! OS HOMENS, as mulheres e crianças também estão tatuando 666 EM SEUS BRAÇOS! A Bíblia diz nos versos 23 a 26 do capítulo 24 de Mateus que nos últimos dias aparecerão falsos cristos e falsos profetas falsos. (preste atenção a este vídeo. Este pregador reivindica ser Jesus, veja o link: http://www.youtube.com/watch?v=GDMIfZemy2E

E VOCÊ AINDA DÚVIDA QUE A VOLTA DE JESUS ESTÁ ÀS PORTAS? SE CONSERTE IRMÃO!

01 março 2007

O que é o Calvinismo?

É surpreendente como parece difícil para algumas pessoas entenderem o que é o Calvinismo. E, todavia, o assunto não apresenta dificuldades de maior. Pode ser colocado numa simples afirmação; e isto num simples nível para a compreensão de uma mente religiosa. Pois o Calvinismo é simplesmente a religião na sua pureza. Temos, assim, que conceber a religião na sua pureza e isso é o Calvinismo.

Em que atitude da mente e coração tem a religião mais plenamente os seus direitos? Não é na atitude da oração? Quando nos ajoelhamos diante de Deus, não só corporalmente, mas também com a mente e o coração, assumimos uma atitude que acima de todas as outras merece o nome de religiosa. E esta atitude religiosa por via da eminência é obvia e justamente uma atitude de completa dependência e modesta confiança. Aquele que se aproxima de Deus em oração aproxima-se não num espírito de auto-afirmação, mas num espírito de confiante dependência. Nunca ninguém orou a Deus assim: "Ó Deus, sabes que sou o arquitecto da minha própria vida e o determinador do meu próprio destino. Podes, na verdade, ter feito algo para me ajudar a segurar os meus propósitos após eu os ter determinado. Mas o meu coração pertence-me e tu não podes introduzir-te nele; a minha vontade pertence-me e tu não a podes vergar. Quando precisar da tua ajuda, chamar-te-ei. Enquanto isso, deves aguardar que isso me agrade". O Homem pode, por vezes, raciocinar desta maneira; mas não é a maneira como ora. Houve, na verdade, uma vez que dois homens subiram ao templo para orar. E um deles manteve-se de pé orando para si próprio (pode este "si próprio" ter um significado mais profundo do que aparece à superfície?), "Deus, obrigado porque não sou como os demais homens", enquanto o outro batia no peito dizendo "Deus, tem piedade de mim um pobre pecador". Mesmo o primeiro reconheceu uma certa dependência de Deus, pois agradeceu-lhe as suas virtudes. Mas não duvidamos qual dos dois exibiu o mais puro modo religioso. Houve um Homem que o disse clara e enfaticamente.

Assim, todo o indivíduo assume uma atitude religiosa quando ora. Mas muitos encerram esta atitude nas suas orações, evacuando-as das suas vidas com o Ámen, levantando-se para assumir uma atitude completamente diferente, se não do coração, pelo menos das suas mentes. Oram como se dependessem somente da graça de Deus; raciocinam - talvez até vivam - como se Deus, pelo menos em algumas actividades, estivesse dependente deles. O verdadeiro calvinista é aquele que está determinado a preservar em todo o seu pensar, seu sentir e seu viver a atitude que toma quando em oração. Quer isto dizer que ele é o homem que determina que a religião na sua pureza toma todo o seu significado em todo o seu pensar, sentir e viver. É este o terreno do seu modo especial de pensar, razão pela qual ele é chamado de Calvinista: é também o terreno do seu modo de agir no mundo, razão pela qual tornou-se a maior força regeneradora no mundo. Outros homens são calvinistas quando ajoelhados; o Calvinista é o homem que determinou que o seu intelecto, mente e vontade permanecerão ajoelhados continuamente e somente nesta atitude pensará, sentirá e viverá. O Calvinismo é, portanto, aquele tipo de pensar no qual a verdadeira atitude religiosa de completa dependência de Deus e humilde confiança somente na sua graça para salvação toma os seus plenos direitos.

No fundo existem somente dois tipos de pensamento religiosos no mundo - se pudermos utilizar em ambos o termo "religioso". Existe a religião da fé e a "religião" das obras. O Calvinismo é a pura personificação da primeira; o que na história da Igreja é conhecido por Pelagianismo é a personificação da última. Todas as demais formas de ensino "religioso" que são conhecidas na Cristandade não são senão tentativas instáveis de compromisso entre as duas. No início do século V, as duas formas fundamentais entraram em conflito directo no seu tipo mais notável personificado nas pessoas de Agostinho e Pelágio. Ambos gastaram-se procurando vidas melhores para os homens. No entanto, nas suas exortações Pelágio dirigia os homens de volta a si mesmos; eles tinham a capacidade, dizia Pelágio, de fazer tudo o que Deus lhes pedia. Agostinho, pelo contrário, dirigia os homens às suas próprias fraquezas em relação a Deus; "Ele mesmo", dizia no seu discurso, "Ele é o nosso poder". Uma é a "religião" da auto-dependência orgulhosa; a outra é a religião da dependência de Deus. Uma é a "religião" das obras; a outra é a religião da fé. Uma nem sequer é "religião" - é mero moralismo; a outra é tudo aquilo que no mundo merece ser chamado religião. Na devida proporção em que esta atitude esteja presente na nossa mente, sentimento e vida é que podemos considerar-nos religiosos. Quando ela reinar na nossa mente, sentimento e vida, então somos verdadeiramente religiosos. Verdadeiro Calvinismo é aquele pensamento em que ela começou a reinar.

"Existe um estado de espírito", diz o Prof. William James nas suas palestras sobre "The Varieties of religious Experiences", "conhecido do homem religioso, mas não dos outros, no qual a vontade humana de auto-afirmação e auto-confiança é deslocada pela vontade de calar as nossas bocas e sermos como nada diante do fluxo e enchente de Deus". Ele descreve a diferença entre o verdadeiro modo religioso e o o que ele chama "moralismo". "O moralista", continua ele, "tem que suster a respiração e manter os músculos tensos"; e as coisas correm bem com ele na medida em que o consiga fazer. O homem religioso, pelo contrário, encontra a sua consolação na sua própria falta de poder; a sua confiança não se encontra em si próprio, mas em Deus; "e a hora da sua morte moral transforma-se no seu nascimento espiritual". O analista psicológico conseguiu compreender a diferença entre moralismo e religião. É a diferença entre confiarmos em nós mesmos e confiarmos em Deus. E quando a confiança em nós mesmos desaparece em nós para dar lugar à confiança em Deus, então aí temos o Calvinismo. Sob o nome de religião no seu expoente máximo, o que o Prof. W. James realmente descreveu é o mero Calvinismo.

Podemos, assim, tomar o testemunho do Prof. W. James como o testemunho de que a religião no seu expoente máximo é precisamente o Calvinismo. Existem muitas formas de ensino religioso no mundo que não são o Calvinismo. Porque mesmo o ensino religioso oferece-nos frequentemente apenas "luzes quebradas". Não existe religião mais verdadeira no mundo, contudo, que não seja Calvinista - Calvinista na sua essência, Calvinista nas suas implicações. Quando estas implicações são devidamente tiradas e estabelecidas e a essência atinge os seus plenos direitos, então obtemos o Calvinismo. Na proporção em que somos religiosos - e só nessa proporção - então somos Calvinistas; e quando a religião atinge o seu pleno direito na nossa mente, sentimento e vida, então seremos verdadeiramente Calvinistas. É a razão pela qual os que têm um vislumbre destas coisas amam ardentemente aquilo que os homens chamam "Calvinismo", por vezes com um ar de contentamento; e é porque se unem a ele com entusiasmo. Não é meramente a esperança da verdadeira religião do mundo: é a verdadeira religião no mundo - na medida em que porventura a verdadeira religião exista.

B. B. Warfield

Os 10 mandamentos do Século XXI

Então veio a mim a palavra de um computador dizendo: "Ouve a palavra que eu te declaro, a palavra da lei que concebeste no teu próprio coração e que é o desejo de todo o Homem":
"Terás outros deuses diante de ti e viverás como se fosses um deus"
"Farás grandes e gloriosas imagens e adorarás as imagens das tuas mãos, o empreendimento do teu gênio e a glória do teu próprio nome"
"Não te preocuparás se usas o nome de Deus em vão; não é melhor que o seja dos teus lábios que do teu coração? Deus olha para o interior e, visto que Ele é amor, não acabará por te perdoar?"
"Lembra-te do sétimo dia e diverte-te. Cinco dias - ou menos - trabalharás e farás todo o teu trabalho e no sexto dia adorarás o grande deus do desporto e louvarás os que jogam diante de ti. Mas, no sétimo dia deitado na cama mais tempo ficarás, buscando e imaginando a recreação que o teu coração deseja"
"Esquecerás o teu pai e tua mãe e buscarás a tua própria geração, pois o jovem não deve estar preso aos adultos, às suas convenções antigas e moral poeirenta. Não admitirás que te eduquem, pois a verdade reside no coração moderno"
"Não temerás cometer assassínio para fins políticos ou outros, pois a acção dos lutadores pela liberdade sempre pode ser justificada e tu não és mais do que o produto da sociedade que te envolve, logo és inimputável"
"Não temerás cometer adultério, pois que proveito tem a fidelidade e a castidade? Assim, não temas tomar aquela que não é tua mulher a fim de que não sejas empobrecido e limitado pelo pecado freudiano das fixações e repressões da infância"
"Não roubarás nada de grande valor, mas tomarás o tempo do teu patrão, os seus imóveis e todos os seus bens, visto que estás ao abrigo da carta dos direitos dos trabalhadores. Tomarás também em tua possessão tudo o que encontrares pelo caminho ou quando ninguém estiver a olhar, pois pecado não é aquilo que fazes, mas se fores visto a fazeres"
"Não temerás dizer falsos testemunhos, pois que interesse tem a verdade? Não são os lábios da maledicência, mesmo regados com oração, mais desejáveis que as duras palavras da verdade?"
"Cobiçarás a mulher do teu próximo, a sua mobília e todos os seus bens. Não são o progresso e o desenvolvimento econômico dependentes da cobiça daquilo que nos falta? Assim terás um emprego repleto e ganharás o louvor dos publicitários"
Então, ainda ouvia eu estas palavras do computador e eis que subitamente uma luz resplandecente veio do céu. E, assim como apareceu, logo se esvaiu para dar lugar às mais densas trevas. De dentro dessa escuridão, veio então uma voz veio a mim dizendo: "Oh, Véio! Um fusível estourou".

LEVANDO A SÉRIO A SEGURANÇA DA SALVAÇÃO

Pr. Walter S. Baptista

"Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e inacessível, reservada no céus para vós, que pelo poder de Deus sois guardados mediante a fé, para a salvação que está preparada para se revelar no último tempo" (1Pe 1.3-5)

Os arminianos ensinam que o salvo pode "cair da graça", ou seja, "perder a salvação" (?!) porque ela depende da vontade do ser humano. O ensino bíblico posto em evidência por João Calvino é que os salvos não se perdem, não podem se perder, porque a vontade do Deus que os salvou não muda. É assim que encontramos nas Escrituras as preciosas palavras: "para o louvor da glória da sua graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado", e, ainda, "Segundo a sua própria vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas" (Ef 1.6; Tg 1.18). Igualmente, há uma palavra no livro de Jó que expressa, "Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido" (42.2).

No arminianismo, o ser humano é responsável por conservar-se salvo, mantendo continuamente a fé e a obediência. O ensino da Bíblia Sagrada é que a salvação é do Senhor. Daniel, o profeta, nos repassa essa palavra que nos diz com absoluta clareza: "Ao Senhor, nosso Deus, pertencem a misercórdia e o perdão; pois nos rebelamos contra ele. E se nós vamos ao último livro da Bíblia, o vidente de Patmos nos dirá:
"Depois destas coisas, ouvi no céu como que uma grande voz de uma imensa multidão, que dizia: Aleluia! A salvação e a glória e o poder pertencem ao nosso Deus" (Ap 19.1).

Por isso, por ser uma dádiva de Deus não pode ser perdida (cf. Jo 6.39; 10.27-29; Rm 2.4; (.37-39). Pelo contrário, Jesus nos diz para nosso conforto: "A vontade do que me enviou é esta: Que eu não perca nenhum de todos aqueles que me deu, mas que eu o ressuscite no último dia" (Jo 6.39); e nesta outra expressão do Salvador:
"As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem; eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai" (Jo 10.27-29).

Há quem não tenha certeza da salvação? Há quem, chamando-se cristão, não leve a sério a segurança dessa salvação? Sim; por essa razão, João explicou porque escreveu o Evangelho que leva o seu nome: "Jesus, na verdade, operou na presença de seus discípulos ainda muitos outros sinais que não estão escritos neste livro; estes, porém, estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo. O Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome" (Jo 20. 30,31). E João, na sua Primeira Carta, "Estas coisas vos escrevo, a vós que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna", porque havia já naquela época alguns que não tinham muita segurança da salvação concedida por Jesus ( 5.13).

É privilégio do salvo saber que está eternamente salvo (glória a Deus por isso!), mas não é privilégio algum viver na incerteza da salvação. Pode alguém receber a vida eterna, e depois perdê-la, indo eternamente para o inferno? Há grupos que dizem que sim, e estão bem espalhados na Cristandade. A Bíblia diz um veemente "NÃO!", ou como diz a antiga palavra de ordem:

UMA VEZ SALVO, SALVO PARA SEMPRE!!!

E isso porque "os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis" (Rm 11.29 TEB).
A doutrina da segurança eterna do salvo tem outros nomes: "perseverança dos santos", "perseverança dos salvos", dos regenerados, daqueles que são feitos novas criaturas em Cristo. Um crente pode até errar, mas ele cai e se levanta porque essa queda é temporária. Spurgeon sugere que é como num navio: podemos cair muitas vezes no seu convés, mas Deus não permitirá que sejamos jogados no mar! Estávamos atravessando para a Ilha de Itaparica no ferry boat, e aconteceu que o barco jogava tanto que algumas pessoas se desequilibraram, e eu também teria caído se não estivesse me segurando no cabo. Que excelente ilustração para a segurança da salvação... Nós estamos num barco (aliás, o barco é uma figura da Igreja), podemos cair no chão, mas não somos jogados à fúria das águas (Jo 6.37). O problema é que há muita gente que diz possuir a fé, mas não sabe o que seja, nem crê no que fala (1Jo 2.19; 2Pe 2.22).

A CERTEZA DA SEGURANÇA

A certeza da segurança da salvação, a certeza da perseverança vem de uma compreensão clara das coisas elementares dessa salvação. O regenerado se caracteriza por certas qualidades éticas e espirituais. Por exemplo, pelo discernimento da verdade . Não está aqui na palavra de Deus? "Quanto a vós, a unção que dele recebestes fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina a respeito de todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como vos ensinou ela, assim nele permanecei" (1Jo 2.27).Essa é uma grande verdade espiritual que nós temos.

Querem ver outra que nos dá segurança? A posse do Espírito Santo. Não andamos ansiosamente buscando o Espírito Santo, não, porque quando cremos recebemos o Espírito: Ele é nosso (creio que fica melhor dizer, nós somos dEle); não é um objeto a ser possuído, Ele é que nos possui quando somos convencidos do pecado, da justiça e do juízo (1Jo 3.24; Rm 8.9, 14).
Uma terceira realidade espiritual é o amor à paz e à fraternidade (1 Jo 3.10,11,14). Vejo que todas elas são privilégios maravilhosos dados ao crente pela misericórdia de Deus. A justificação, quando você é declarado reto, livre, limpo dos seus pecados do passado (Rm 5.1); a adoção como filho de Deus, realidade marcante do seu presente (Jo 1.12; Rm 8.14, 15; Gl 3.26; 1Jo 3.1); e a santificação, quando você é declarado separado para Deus, como reserva especial para o nosso Pai.

E isso se perde? Podemos perder a justificação, e a adoção , a santificação, e a glorificação que nos aguarda? Somos reservados, regenerados para uma herança incorruptível (ela não decai, não se estraga), incontaminável (nenhum fungo pode maculá-la), e ela não murcha, essa herança que está reservada nos céus para os santos. Isso é a glorificação! E isso se perde? E isso vai para o lixo? A LIMPURB vai levar a nossa salvação! Não! Estamos seguros! E por que estamos seguros? Por causa do amor de Deus que é imutável (Hb 6.17,18). Não pode existir essa idéia que Deus me ama hoje, mas amanhã ,não sei não... O amor de Deus não muda! Estamos seguros por causa de Suas promessas. E as promessas de Deus mudam? A palavra de Deus diz, "ele mesmo disse: Não te deixarei, nem te desampararei" (Hb 13.5). Que promessa extraordinária! Quero ainda ir à Carta aos Hebreus: "para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos poderosa consolação, nós, os que nos refugiamos em lançar mão da esperança proposta" (Hb 6.18). As gloriosas promessas de Deus não mudam!
Porque temos segurança da nossa salvação? Por causa da aliança feita com Deus. No profeta Jeremias, o texto diz: "E lhes darei um só coração, e um só caminho, para que me temam para sempre, para o seu bem e o bem de seus filhos, depois deles; e farei com eles um pacto eterno de não me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se apartem de mim" (Jr 32.39,40). Como Deus é fiel; nós cantamos sempre a Sua fidelidade para conosco:
"Tu és fiel, Senhor, meu Pai celeste,
pleno poder aos teus filhos darás.
Nunca mudaste, tu nunca faltaste:
Tal como eras, tu sempre serás".

Estamos seguros por causa do valor do sacrifício de Jesus Cristo, que não foi um sacrifício em vão. Vejo em João 6.39, o próprio Senhor dizendo, e repetimos o que já foi mencionado: "A vontade do que me enviou é esta: Que eu não perca nenhum de todos aqueles que me deu, mas que eu o ressuscite no último dia".

Estamos seguros por causa do Espírito Santo que vive nos salvos, "o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para o louvor da sua glória" (Ef 1.14). Assim, até parece que as perguntas de Romanos 8.31 a 39 foram feitas a pessoas que não criam na salvação eterna do crente. essas perguntas são:
"Se Deus é por nós, quem será contra nós?" (v. 31b);
"Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus?" (v. 33a);
"Quem os condenará?" (v. 34a);
"Quem nos separará bo amor de Cristo?" (v. 35a);

e , aí, temos outras perguntas: "a tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, etc." (cf. v. 35), perguntas que falam de um modo tão claro, e para cada uma delas a resposta é "nada, ninguém, coisa alguma pode nos separar". É verdade que Satanás, que é o nosso arqui-inimigo, o nosso resistente-mór, tudo faz para derrubar o crente. Ele usa anjos maus, é verdade, e usa gente incrédula, é verdade. E a lista do verso 35 de Romanos 8 fazem parte de um rol das possíveis dificuldades que poderiam ser interpretadas como ausência do amor de Deus. Quais são elas? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo (seja qual for), a espada . Não, nada disso nos separa do amor de Deus. Pelo contrário, vou, então, ao Salmo 44.22, e encontro a expressão, "Mas por amor de ti somos entregues à morte o dia todo; somos considerados como ovelhas para o matadouro".

Dá para entender, então, que essas dificuldades nos vêm porque fomos entregues à morte o dia todo? Ora, quem ama a Deus é odiado pelo mundo; quem ora a Deus Satanás odeia porque ele não pode ver o seu império estremecido pela nossa oração. É por isso. Assim, a nossa maior qualidade dada por Jesus Cristo é sermos "mais que vencedores", diz a Escritura (Rm 8.37). No entanto, coitado do ímpio , ele é por natureza uma pessoa alienada, a Bíblia o diz: "Alienam-se os ímpios desde a madre; andam errados desde que nasceram, proferindo mentiras" (Sl 58.3). Vejam só: desde o útero, eles são alienados?! Precisa qualidade maior para os verdadeiros crentes que a segurança da salvação? Mas um filho de Deus, o salvo em Cristo Jesus, quem já recebeu o sopro, o toque do Espírito, esse pode acontecer de cair em pecado, quando, então, vai perder muita coisa: a alegria da salvação (Sl 51.12), a bênção da comunhão com os irmãos, mas deve se levantar. Sim, porque o crente em Jesus Cristo, o verdadeiro crente, não fica derrubado, não. Miquéias, o profeta, diz: "Não te alegres, inimiga minha, a meu respeito; quando eu cair, levantar-me-ei; quando me sentar nas trevas, o Senhor será a minha luz. Sofrerei a indignação do Senhor, porque tenho pecado contra ele; até que ele julgue a minha causa, execute o meu direito. Ele me tirará para a luz, e eu verei a sua justiça" (7.8,9), pois, "Confirmados pelo Senhor são os passos do homem em cujo caminho ele se deleita; ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor lhe segura a mão" (Sl 37.23,24).

Até o erro, o pecado, tem seu lado de crescimento. Paulo quando escreve o Hino de Exaltação a Deus pelo Seu cuidado amoroso, diz que "sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Rm 8.28). Até o pecado, até o engano, até aquilo que não devíamos fazer mas fizemos, sendo circunstancial, ele nos ensina, tem seu valor pedagógico. O crente em Jesus Cristo não pode perder a salvação porque tem um grande Salvador que não deixa a Sua obra pela metade, não. A missão de Jesus não ficou no Calvário, não: foi até à ressurreição, e Ele saiu dentre os mortos, e garantiu a nossa salvação. Como é que um grandioso Salvador como esse nos deixaria na metade do caminho?

Também porque não podemos perder a nossa redenção, visto que, mesmo acusados por Satanás, temos um advogado diante do Pai (1Jo 2.1; cf. Hb 9.24).

Outra razão é porque estamos guardados pelo poder de Deus. Volto à Palavra Santa: "pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé" (1Pe 1.5a; cf. 2Tm 1.12). Uma das mais preciosas lições da Nova Aliança é que a salvação não depende de mim, nem de minhas obras, nem de meus atos, mas me é concedida pela graça, pela misericórdia, pelo amor de Deus, amor que eu não mereço. Assim diz a Santa Escritura. E diz várias vezes que eu não mereço, e que você não merece: "Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus...porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Rm 3. 24, 23). Nós não merecemos, mas Deus nos concede Sua salvação. Se formos a outros textos, temos também muita palavra abençoadora: "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie" (Ef 2.8,9; cf. Cl 1.12-14; 2Tm 1.8,9). Isso quer dizer que o crente em Jesus Cristo é nascido de Deus (1Jo 5.1); nascido de uma semente que não se estraga, não apodrece. Vejam só: "tendo renascido, não de semente corruptível, mas de incorruptível, pela palavra de Deus, a qual vive e permanece" (1Pe 1.23), razão porque cada filho de Deus, cada filha do Pai Celestial participa igualmente da Sua natureza. Ora, o irmão participa da natureza de Deus: se Deus morrer, o irmão morre. Mas como Deus não morre, não Se corrompe, não Se esfuma, o irmão, a irmã está selado, e protegido, e guardado quanto a sua salvação para o Dia Final (cf. 2Co 1.21,22; Ef 4.30).

E tem mais: o crente em Jesus Cristo não se perde porque a alegria dos anjos não se acaba; a alegria que foi demonstrada nos céus no dia da sua conversão essa não se acaba(Lc 15.10), ou será que existe um ciclo de ALEGRIA NO CÉU - tristeza porque você caiu - ALEGRIA porque você voltou - tristeza porque você novamente caiu? Será que a Bíblia ensina isso?

SEGURANÇA E PERSEVERANÇA

No entanto, que tranqüilidade tem o crente em Jesus Cristo que leva a sério a segurança da salvação!... As promessas do Senhor nos dão segurança (cf. Jr 32.40; Jo 6.37; 2Tm 2.19); vida eterna não é fumaça (cf. Jo 6.47)! Não é "talvez tenha", não é "quem sabe se eu vou ter a salvação", não! (cf. 1Jo 5.11-13). Nós estamos seguros, seguros nas mãos fortes do Senhor! (cf. Sl 37.23,24,28a; 97.10). E lembremos que a ressurreição de Jesus Cristo é o alicerce desta segurança (Ef 2.6).

Vejam agora uma coisa muito séria: só quando se confia em Jesus até certo ponto é que se tem medo de perder a salvação ("Olha, Jesus, eu confio até chegar perto do Calvário; lá em cima, não..." ). Se a nossa confiança é até certo ponto, fica difícil, porque aí você tem medo de perder a salvação. Daí em diante, se a obra de Jesus fica pelo meio do caminho, esse crente, essa irmã, é deixado só, abandonado. Como fica, então, a promessa de Jesus em João 14.18 que diz: "Não vos deixarei órfãos"? E aquela que diz "estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos"? (Mt 28.20). Ou Jesus é nossa esperança para tudo, ou não é esperança para coisa nenhuma! Mas, Paulo, apóstolo, nos fala ao coração dizendo: "o qual vos confirmarás até o fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor" (1Co 1. 8,9). Que palavra linda e extraordinária! Por isso, à luz destes fatos, não entendo como há quem pregue que a salvação pode ser perdida?! Que testemunho notável para sua família, para seus amigos, para seus colegas, o irmão confirmado na fé, você confirmada na fé em Jesus Cristo. Não é (graças a Deus!) salvação-por-enquanto, não; e graças a Deus não é salvação temporária, não é condicional, não é até certo limite. É uma eterna e gloriosa salvação! Por isso, os santos perseveram: porque Deus é fiel (1Co 1.9). E Deus é fiel no que planejou, e no que prometeu.
Assim, essa monstruosa, herética, diabólica idéia do crente perder a salvação repudia toda a boa nova do evangelho de Jesus! Nega que Jesus Cristo seja digno de crédito ao dizer que nada nos arrebata da Sua mão (cf. Jo 10.28; 1Jo 5.10,11); faz de Deus um mentiroso (Hb 6.17-20); anula João 3.16, e desfaz toda a verdade que está revelada em Romanos capítulos 4, 5 e 8; cancela a justificação, e o perdão dos pecados, e a adoção de filhos, e o batismo no Espírito Santo, e os dons do Espírito, e o fruto do Espírito já cultivado no irmão. Tudo isso vai para o lixo se o irmão crê que vai perder um dia a sua salvação. Faz ser um sonho, um esfumaçado sonho o Salmo 23 com sua gloriosa declaração de confiança, "O Senhor é meu pastor; nada me faltará", e o Salmo 32 onde se lê, "Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto". Isso vai embora, pelo esgoto! Isso desaparece da minha vida porque eu não creio, acho que amanhã vou perder a salvação?! Hoje eu a tenho, mas não garanto por amanhã?! Se a perda da salvação é verdadeira, ou, mesmo, imaginável, a Bíblia está brigando com ela mesma, está se contradizendo porque fala de "eterna salvação", "eterna redenção" e "vida eterna" dezessete vezes só no Evangelho de João (cf. Hb 5.9; 9.12); fala de "peso eterno de glória mui excelente", de "eterna consolação", de "herança eterna", e de "aliança eterna" (cf. 2Co 4.17; 2Ts 2.16; Hb 9.15; 13.20).

Mas há quem saia do nosso meio? Há? Sem dúvida! E a Bíblia diz que há aqueles que não se agüentaram no nosso meio porque "saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos" (1Jo 2.19). Voltaram para o mundo porque a ele pertenciam, abandonaram a família de fé. Mas, há quem saia do nosso meio? Há sim: são aqueles a quem Jesus Cristo vai dizer, "Nunca vos conheci" (cf. Mt 7.21-23).

A Escritura Sagrada tem três lições que não podemos jamais esquecer. A perdição humana é total, porque a Queda foi total, e todos fomos arrastados pelo pecado.
Google