28 dezembro 2009

NÃO SEI QUAL É O PROBLEMA!

(SOBRE FESTAS E COMEMORAÇÕES CRISTÃS)
Helci R. Pereira(*)


1 “E este dia vos será por memorial, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor;
Através das vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo.”
(Ex 12.14; ver mais Lv 23. 4, 5)).
Deus instituiu para Israel uma festa comemorativa de libertação experimentada.
Comemoração para lembrar os feitos divinos na vida de seu povo.
Festa chamada de culto pelo próprio Deus (Ex 12.26)
Festa que tinha objetivo bem didático (Ex 12.25, 26).
Então, Deus não é, em princípio, contra festas e comemorações, é claro.
O prejuízo para o povo aconteceu exatamente por não sido fiel:
Manter a comemoração,
O que contribuiu para o seu afastamento do Senhor.
Hoje, a Igreja de Deus, na Dispensação da Graça,
Não tem por que comemorar a páscoa judaica,
Mas comemora a páscoa cristã,
Alusiva à morte e ressurreição do bom Jesus,
Pela celebração, mensalmente, da Ceia do Senhor,
Por ele mesmo instituída,
E anualmente com o culto da RESSURREIÇÃO.
Páscoa comemorada biblicamente
E despida de adereços populares,
Mantendo viva a memória do que Cristo fez por nós.
("Fazei isto em memória de mim . . .
Fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim".
Os judeus comemoram a sua páscoa por seus motivos próprios,
O que não nos exclui o direito e o prazer de comemorar a páscoa cristã,
Nossa passagem da escravidão pecado para a liberdade em Jesus.
Irrelevante se torna para nós que muitos povos antigos, Entre eles os egípcios,
Tiveram por costume semelhantes comemorações,
Porém com motivos diversos dos cristãos.
NÃO SEI QUAL É O PROBLEMA!

2 Deus mesmo veio a instituir uma comemoração
Para que o povo não se esquecesse de ter passado a pé enxuto
Pelo rio Jordão: doze pedras assentar em Gilgal,
Em comemoração desse acontecimento.
Na oportunidade disse Josué ao povo:
“Quando, no futuro, vossos filhos perguntarem a seus pais, dizendo:
Que significam estas pedras?
Fareis saber a vossos filhos, dizendo:
Israel passou em seco este Jordão porque o SENHOR,
Vosso Deus, fez secar as águas do Jordão diante de vós,
Até que passásseis, como o SENHOR vosso Deus,
Fizera ao mar Vermelho, ao qual secou perante nós,
Até que passássemos.
Para que todos os povos da terra conheçam que a
Mão do SENHOR é forte;
A fim de que temais ao SENHOR, vosso Deus, todos os dias" (Js 4. 21- 24).
Tal comemoração era para que o povo tivesse de Deus lembrança.

Hoje, comemoramos festivamente e com culto
O lançamento da pedra fundamental dum templo,
A data de organização dum presbitério,
Os 150 anos da IPB, Com culto e com festas.
São comemorações, são festas, são até cultos que agradam a Deus
Com toda certeza.
Evidentemente, não seria razoável alguém contradizer:
“Isso na Bíblia não está!”
Não está mesmo, como também não está
A Escola Bíblica Dominical, a Escola Bíblica de Férias ...
NÃO SEI QUAL É O PROBLEMA!

3 Na festa das Primícias - (Lv 23:9 a 14),
O povo de Israel festejava o início da colheita,
Dedicando ao Senhor os primeiros frutos já colhidos,
Com um significado profético:
Jesus dedicaria ao Pai os primeiros frutos da salvação,
Quando, na sua morte, muitos ressuscitariam (Mt 27:51 a 53; I Co 15:20).
Em seguida comemoravam o Pentecostes ou Festa das Semanas
(Lv 23:15 a 22), solenizando o fim da colheita,
Uma espécie de segunda festa das primícias,
Com significado profético, também:
A descida do Espírito Santo (At 2.1)
Com a colheita imediata de "quase três mil pessoas" (At 2:41)
Como frutos da morte e ressurreição do Salvador.

Hoje,
Se uma igreja inicia o seu ano eclesiástico com uma Festa das Primícias,
Com vistas à evangelização,
Ou festeja o seu Pentecostes, com um grande culto da Colheita,
Com batismos e Profissões de fé de novos crentes,
É justo se impugnar tais celebrações
Por não estarem previstas no Novo Testamento?
NÃO SEI QUAL É O PROBLEMA!

4 Com relação ao Culto Festivo do Natal é o mesmo o nosso raciocínio,
Fortalecido agora por uma experiência singular.
Foi numa Cantata de Natal: “DEUS CONOSCO - EMANUEL”,
Vero culto de evangelização, do qual participamos
Na Igreja Presbiteriana do Farol, em Maceió.
Beleza estonteante, que lágrimas de felicidade nos fez derramar,
Em vários momentos, tal o teor evangelizante de apelo ao coração,
Culminando a mesma Cantata com a linda conversão
De um homem que veio à frente, ante todos, a Cristo sua alma entregar.
Naquele momento de grande emoção e alegria natalina,
Aflorou à nossa mente a lembrança de alguém a afirmar,
Sobre o Natal, em se manifestando contra tal celebração:
“Jesus não nasceu em 25 de dezembro”,
“Tal data os apóstolos não comemoraram”,
“O natal não se inclui entre as festas bíblicas,”
“Se o Natal é uma das maiores festas,
“Por que os pagãos também o comemoram?”
E assim por diante, para ao final concluir
Que o Natal nós não devemos celebrar!
Ao que, de logo, podemos responder:
Abrindo o Novo Testamento, lá vamos verificar
Do natal comemoração – a mais singular.
Na primeira comemoração, no primeiro culto de natal
Tivemos até um coro angelical:
“Grande multidão da milícia celestial,
Alegre a cantar, louvando a Deus, dizendo:
Glória a Deus nas maiores alturas,
Paz na terra entre os homens a quem ele que bem.
E logo que os anjos se retiraram deles para o céu.”
Os magos, depois de terem empreendido extensa viagem,
Fizeram comemoração natalina original -
“Ao verem eles a estrela, regozijaram-se com grande alegria.
E entrando na casa, viram o menino com Maria sua mãe
E, prostrando-se, o adoraram;
E abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas:
Ouro incenso e mirra.” (Mt 2.10 e 11)
Então a ficha nos caiu e ficamos a nos perguntar:
Não vamos nós imitar a miríade celestial que comemorou
O primeiro NATAL de forma magistral?
Não vamos nós render um culto especial de comemoração
E gratidão pela primeira vinda do Messias?
Não vamos presentear a Jesus com nossa consagração,
Por não sabermos, com certeza, se ele nasceu em dezembro ou em abril?
Pelo fato de não sabermos o exato dia do seu nascimento,
Jesus deixa de merecer uma comemoração?
Porque os pagãos comemoram o existir de falsos deuses,
Nosso Jesus, Filho do Deus verdadeiro, Deus conosco,
Não pode ter um dia especial p’ra ser louvado?
NÃO SEI QUAL É O PROBLEMA!

(*) É pastor presbiteriano
Postar um comentário
Google