31 outubro 2012

Dia da Reforma Cristã


31 DE OUTUBRO, A REFORMA DA IGREJA CRISTÃ

No dia 31 de outubro, celebramos o Dia da Reforma Cristã. Neste dia, no ano de 1517, o monge Martinho Lutero expunha nas portas da Igreja de Wittenberg, na Alemanha, as 95 teses contra a venda de indulgências. Indulgência é o mérito, por boa ação ou compra, da remissão da pena dos pecados. Verdadeiros abusos eram cometidos. As pessoas achavam que não precisavam mais da graça, da fé, da palavra de Deus, nem de Jesus Cristo. Compravam uma carta de indulgência e pronto. A salvação estaria garantida. Era o pensamento moderno da época. Era a onda religiosa do momento.

Martim Lutero argumentou contra isso. Ensinou que a Igreja pregasse a salvação por graça e fé, mediante a ação de Jesus Cristo, revelado e testemunhado nas Sagradas Escrituras. Com certeza, nem ele tinha consciência das proporções que tomaria o movimento. Novas rupturas e até novas guerras se justificaram a partir de então. Mas também uma autêntica e verdadeira vivência do Evangelho volta a se fazer presente, seja entre católicos seja entre protestantes, motivada pela atitude de Lutero.

Recebi o boletim informativo do CEBI, de Campo Grande, MS. Nele encontrei algumas afirmações muito interessantes escritas, inclusive, por católicos romanos. Elas dizem que: "Muitas pessoas, por desconhecimento histórico, continuam a repetir que Lutero foi responsável pela divisão da Igreja, sem reconhecer na verdade que, profeticamente, o que fez foi trazer à tona a divisão já existente. Duas coisas são importantes: a) ter consciência de que cristãos e cristãs, por variadas razões e diversos interesses, já haviam há muito abandonado a unidade proposta por Jesus; b) recuperar a intenção inicial de Lutero que, antes de pensar em qualquer divisão, sonhava com uma Igreja mais fiel a Jesus Cristo.

Para isso, é bom lembrarmos alguns dados históricos. No ano de 450, sob o pretexto das discussões se Jesus tinha uma natureza (era só Deus) ou duas (a divina e a humana), houve a separação da Igreja Siriana. Em 1054, a Igreja de Constantinopla e a Igreja de Roma romperam as relações, excomungara-se mutuamente, declarando-se inimigas. Uma chaga que até hoje não se curou. Isto para falar apenas das divisões maiores."

Lutero não falava em separar-se da Igreja de Jesus Cristo, mas em reformá-la. Daí o nome Reforma. É do próprio Lutero a oração abaixo escrita: "Ó eterno e misericordioso Deus, Tu és do Deus da Paz, do amor e da unidade e não da discórdia e da confusão, que permites em teus justos julgamentos. Este mundo, ao se esquecer de Ti, tem se dividido e quebrado. Só Tu podes criar e sustentar a unidade.

(...) Concede, então, que voltemos à tua unidade e evitemos toda discórdia. E assim sejamos de uma só vontade, um só conhecimento, uma só disposição e uma só compreensão sobre fundamento de Jesus Cristo, nosso Senhor.

É necessário que a gente reflita sobre esta realidade, especialmente, nesta época moderna de guerra religiosa. Certamente, este dia da Reforma Protestante é tempo oportuno de oração, estudo, reflexão e prática da paz.

Teobaldo Witter, Pastor Sinodal do Sínodo Mato Grosso – IECLB
Postar um comentário
Google