31 maio 2013

"Ele, faz maravilhas, milagres que nem se pode explicar."

“Vou lhe dar um conselho: procure a Deus e confesse a Ele os seus pecados, pois Ele, faz maravilhas, milagres que nem se pode explicar.
Ele manda a chuva cair sobre a terra e regar os campos, para dar alimento e alegria aos pobres e necessitados.
Ele acaba com os planos de homens perversos e não deixa que eles façam as maldades que planejam. Os perversos acabam sendo destruídos pela sua própria maldade; seus planos violentos são cortados por Deus. Em pleno dia eles andarão aos tropeções, com os cegos; a luz do dia será tão escura quanto à meia-noite!
Deus salva os órfãos e necessitados dos maus e poderosos. Sim, há esperança para o pobre porque os perversos serão destruídos pela sua própria maldade.
Feliz é o homem a quem Deus corrige! Por isso, não fique reclamando porque o Grande Deus lhe deu esse castigo. Ele mesmo vai curar a ferida que fez em você.
Ele estará sempre ao seu lado, para o livrar de todos os problemas que surgirem.
Se houver fome na terra, Ele lhe dará comida. Ele lhe dará proteção contra os perigos da guerra.
Ele cuidará para que você não seja destruído por palavras mentirosas. Assim, mesmo em meio a grandes sofrimentos, você viverá tranquilo.
Sim, você rirá da guerra e da fome e não terá medo dos animais. ferozes.
Deus fará com que as pedras do campo, sejam úteis para você e os animais do campo serão seus amigos.
Você pode ter certeza de que a paz guardará sua casa e você não terá prejuízo em nenhum de seus negócios.
Sua família se tornará muito grande e poderosa na terra, com tanta gente que será impossível contar.
A morte chegará na hora certa, quando você já tiver vivido uma vida longa e feliz, como o trigo que se colhe quando está maduro.
Eu venho observando a vida por muito tempo e sei que o que lhe disse é a pura verdade. Para seu próprio bem, ouça e aproveite o meu conselho.”

Palavras ditas à Jó por Elifaz, um de seus amigos, quando estava passando por dificuldades tremendas (5.8-27)


COMENTÁRIO:

Os três amigos do Jó cometeram o engano de supor que Jó tinha cometido um grande pecado e que essa era a causa de seu sofrimento.
Nem eles nem Jó sabiam a respeito da conversação de Satanás com Deus (1.6-2.8).
É inerente à natureza humana o culpar às pessoas por seus próprios problemas, mas a história do Jó deixa muito claro que nem sempre a culpa está associada com quem é afligido por problemas.


Elifaz estava correto: é uma bênção ser disciplinado por Deus quando fazemos algo errado.
Mas, seu conselho, entretanto, não se aplicava à Jó.
Como sabemos desde o começo do livro, o sofrimento do Jó não era o resultado de algum pecado.
Em ocasiões damos às pessoas conselhos excelentes só para nos dar conta que não se aplicam a eles e que, portanto, não são úteis.
Todos aqueles que dão conselhos a partir da Palavra de Deus devem tomar cuidado de compreender totalmente a situação de uma pessoa antes de dar seu conselho.

As palavras do Elifaz em 5.17, 18 mostram um ponto de vista de disciplina que quase foi esquecido na atualidade: a dor pode nos ajudar a crescer. Estas são palavras adequadas para recordar quando enfrentarmos a alguma perda ou a tempos difíceis.
Jó não compreendia o porquê de seu sofrimento, mas sua fé em Deus teve a oportunidade de crescer.
Por outro lado, não devemos cometer o mesmo engano do Elifaz. Deus não elimina todas as dificuldades quando o seguimos muito de perto, e o bom comportamento nem sempre é recompensado com a prosperidade. Recompensas por fazer o bem e castigos por fazer o mal estão nas mãos de Deus e são dados a Seu tempo.

O complô de Satanás é nos fazer duvidar da boa vontade de Deus para nós.

Márcio Melânia
Postar um comentário
Google