31 dezembro 2016

Devocional para Sábado, 31 de Dezembro de 2016


"Sede agradecidos."
 (Colossenses 3.15)

Estamos chegando ao final de mais um ano. 2016 foi um ano de muitas adversidades, não resta dúvida, um ano de turbulências, de decepções, enfim, porém, olhando com um olhar de filho de Deus, temos muito para agradecer.
EBENEZER, até aqui nos ajudou o Senhor! Em meio à tantas vicissitudes, permanecemos de pé, Aleluia!
Aprouve a Deus que estivéssemos vivos, embora muitos atravessando momentos de enfermidade, tanto em si quanto em família, mas estamos ainda neste mundo, para um propósito de Deus, com toda certeza.
É tempo de gratidão, sim, é tempo para pararmos e expressarmos a nossa gratidão ÀQUELE que nos tem sustentado com a Sua poderosa mão. Ele tem cuidado de nós, tem cuidado da nossa vida espiritual e se nos encontramos em fidelidade diante dEle é porque a sua misericórdia nos alcançou, (1 Coríntios 7.25). Ele chegou com a provisão certa, suprindo as nossas necessidades, sejam elas de e ordem forem Ele é o Supridor, o Provedor.
Nas tentações da vida, não sucumbimos porque Ele nos deu o escape (1 Coríntios 10.13). Temos um Sumo Sacerdote que se compadece das nossas fraquezas e intercede por nós dia e noite diante do Pai, glória a JESUS!
O percentual de ingratidão é muito alto, por causa do egoísmo, e o que muitas vezes se agradecia apenas por educação já não se vê quase acontecer, infelizmente.
E a pergunta paira no ar: ONDE ESTÃO OS NOVE?
Minha oração e desejo é que JESUS olhando para cada um de nós, encontre um coração agradecido com sinceridade e amor. Que possamos está entre os dez por cento dos que são gratos a ELE por todos os benefícios recebidos por SUA causa, porque ELE se fez um de nós, para que através DELE fossemos abençoados com todas as bênçãos espirituais, Aleluia! (Efesios 1.3).

Feliz 2017!

Márcio Melânia

30 dezembro 2016

Devocional para Sexta-Feira, 30 de Dezembro de 2016


Veja se não parece um absurdo o que o apóstolo Tiago pede aos cristãos: sintam-se felizes, tenham suma alegria, aceitem com a maior boa vontade, quando experimentarem todo tipo de aflições, múltiplas provações e toda sorte de dificuldades.

Esse trânsito curto ou demorado pelo sofrimento é uma prova ou um teste a que DEUS os submete em benefício deles próprios ou da comunidade cristã. Uma paráfrase da Bíblia chega a dizer que o conjunto de lutas e aflições é um “presente especial” (AM).

Tanto a alegria como a felicidade não são sensações frequentes, nem fáceis. Na maior parte das vezes elas dependem das circunstâncias e esperam a dor passar para, só depois, aparecerem. Mas Tiago está falando de uma felicidade a toda prova em meio a circunstâncias exatamente contrárias.

Por que esse incômodo é um presente especial de DEUS? Por que devemos nos sentir felizes quando, segundo a experiência humana, não há nenhum motivo para alegria?

O pedido que o apóstolo faz é absurdo, algo contrário à lógica por causa daquilo que a provação produz. Quem interrompe a leitura da Carta de Tiago no verso dois tem razão para ficar confuso e aborrecido. Mas o verso seguinte explica tudo: “quando a sua fé vence essas provações, ela produz perseverança”.

O cristão se alegra porque “a provação abala o entusiasmo infantil, romântico e descompromissado” e aumenta o volume da fé, da paciência, da constância e da perseverança. As fibras das convicções e da fé ficam mais rígidas e o crente se prepara melhor para a batalha emocional seguinte.

Outro benefício da aflição é que ela nos coloca de joelhos dobrados. Por meio da oração suplicamos o alívio que vem de cima. diretamente dos céus, de DEUS.

Absolutamente nada nos sobrevém por acaso! Que ELE nos dê de SUA mais que excelente Graça para suportar.

Márcio Melânia


29 dezembro 2016

Devocional para Quinta-Feira, 29 de Dezembro de 2016


O valor de um abrigo (refúgio) só se manifesta quando estamos a enfrentar uma terrível tempestade. Quando os trovões soam, os relâmpagos cortam o céu e encontramos um abrigo seguro para nos esconder, é que passamos a dar real valor a um abrigo.

O salmista Davi relatou que D​EUS
 é o lugar onde podemos nos abrigar: “Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará… Ele é o meu D​EUS, o meu refúgio… Porque Ele te livrará do laço do passarinheiro” (Salmos 91.1-3).
Em C​RISTO há provisão para satisfação e pleno contentamento das almas sedentas e necessitadas. C​RISTO é "como ribeiros de águas em lugares secos" (Isaías 32:2) ou em um deserto ressequido, onde há grande escassez de água e os viajantes morrem de sede.

C​RISTO é um rio de águas, pois há ​NELE uma plenitude tal, uma provisão tão abundante, que satisfaz a alma mais necessitada e ansiosa. C​RISTO é suficiente não só para uma alma sedenta, mas também é a fonte que nunca seca, sem importar quantos venham a ELE. Um homem sedento não esgota esse rio, ao saciar ​NELE, continuamente a sua sede. "Aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna" (João 4.14).

Como somos felizes quando nossos corações ficam persuadidos a se achegarem a JESUS C​RISTO! Oh! Que sejamos persuadidos a nos ocultarmos ​NELE! Que maior segurança poderíamos desejar? Ele se comprometeu a defender-nos e salvar-nos.
Nada temos a fazer, além de descansar ​NELE calmamente. Aquiete-se e veja o que o Senhor JESUS fará por você. Se tiver de haver sofrimento, esse será da parte do Senhor J​ESUS, por você; nada terá de sofrer. Se alguma coisa tiver de ser feita, C​RISTO há de fazê-la. Você nada terá de fazer, além de permanecer quieto e olhar. "Mas os que esperam no SENHOR, renovam as suas forças" (Isaías 40.31).

Márcio Melânia

28 dezembro 2016

Devocional para Quarta-Feira, 28 de Dezembro de 2016


“Ebenézer” é uma palavra hebraica que literalmente significa “pedra de ajuda” ou "pedra de gratidão" e aparece três vezes na Bíblia referenciando o lugar onde os filisteus derrotaram os Israelitas, em uma guerra que aconteceu na região de Canaã, para tomar a Arca da Aliança.
Ebenézer é também o nome dado a uma pedra memorial erigida pelo sacerdote Samuel para marcar o local onde DEUS ajudou Israel a derrotar os filisteus ao norte de Jerusalém.
É interessante o jogo de palavras e seu significado.
Primeiramente, os filisteus derrotaram os Israelitas próximo à aldeia de EBENÉZER.

O SENHOR não pode ser “pedra de ajuda” para o seu povo porque estavam agindo sem fé e de forma desobediente.
Depois de algum tempo, após arrependimento sincero, Deus pode ser uma “pedra de ajuda” para o seu povo, dando-lhes a vitória sobre os inimigos Filisteus. Então, Samuel declarou: “até aqui nos ajudou o Senhor”. Ou seja, até aqui o SENHOR foi nossa “pedra de ajuda”.

Assim como o povo judeu ao vencer os filisteus disseram: “EBENÉZER!”, ou seja “Até aqui nos ajudou o SENHOR!” nós também podemos, ao findar deste ano dizer com todas as nossas forças: “EBENÉZER!

Este ano não tem sido muito fácil. Todos passamos por várias dificuldades e problemas em todas as áreas, mas em todas elas o SENHOR nos tem ajudado. Até podemos dizer que nem tudo foi resolvido, ainda não, mais "até aqui o SENHOR nos ajudou!"
DEUS é a nossa “pedra de ajuda”, para tanto é necessário que creiamos em seu amor e sua sabedoria para que possamos continuar a dizer: ”Até aqui o SENHOR nos ajudou!"
Porém, não basta crer, temos também que demonstrar o que cremos através de nossos atos, não apenas com nossas palavras. Nossas ações precisam refletir o que falamos e sentimos.

DEUS deseja continuar nos ajudando e a cada dia poderemos dizer: "Até aqui o SENHOR nos ajudou!"


Márcio Melânia


27 dezembro 2016

Devocional para Terça-Feira, 27 de Dezembro de 2016


A verdade nos é apresentada como uma filosofia. Diversos pensadores falam da verdade como um conceito.

Mas a verdade não cabe em uma filosofia, nem muito menos em um conceito. Costumamos usar o termo "verdade", para pontuar as factualidades mais pensadas e resolvidas por nós.

Mesmo essas factualidades mais pensadas, analisadas, ouvidas, "provadas" e resolvidas são frutos do nosso olhar parcial e da nossa interpretação. Nenhuma filosofia é capaz de carregar em si mesmo, a multiplicidade dos significados da verdade!

A verdade é tão poderosa, envolve tantas variáveis, necessita de conhecimentos de intenção do coração, de conhecimento dos pensamentos humanos, que dificilmente um ser humano conseguirá afirmar tal verdade, pura, total, sem distorções!

Os fariseus se intitulavam os "guardiões da verdade". Julgavam que eles eram os responsáveis por preservar a Lei escrita, fazer os manuscritos, interpretá-la e aplicá-la na vida cotidiana dos cidadãos israelitas. Como se a verdade pudesse ser contida em códigos ou palavras. Nem este universo inteiro poderia conter a verdade. O cosmos se torna pequeno, diante da verdade. Nem mesmo o céu dos céus pôde conter a verdade!

Eles não compreendiam no seu orgulho desenfreado que somente a verdade os poderia libertar, e que esta verdade, JESUS, habitava junto ao humilde e ao quebrantado de coração!

A verdade não está em vãs filosofias, nem em axiomas ou códigos de conduta. A verdade é um ser vivo e pessoal. A verdade é JESUS!

Esta Verdade se revestiu de natureza humana e foi enviada ao mundo, mas os homens preferiram acreditar na mentira e o penduraram no madeiro.
Agora, em todo humilde de coração, em todo pobre de espírito se pode ouvir a Verdade que desceu do céu.

Podemos orar assim: "Eterno DEUS, somos gratos por Tua Verdade revelada em nós por meio de CRISTO JESUS, que a Tua Verdade possa nos guiar nos seus caminhos, de Verdade em Verdade, até que venha nos buscar, amém."

 Márcio Melânia

26 dezembro 2016

Devocional para Segunda, 26 de Dezembro de 2016

"Simeão o tomou nos braços e louvou a DEUS, dizendo: Agora, SENHOR, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste diante de todos os povos: luz para revelação aos gentios, e para glória de Israel." Lucas 2:28

O que levaria um homem a dizer: agora posso morrer em paz?
Penso que somente um profundo sentimento de plenitude, completa realização e certeza absoluta de quem sabe que a vida tem sentido e a morte pode ser acolhida como uma amiga e não como inimiga.
Na verdade era a criança de Belém que tinha Simeão nos braços, era ele que agora podia dormir tranquilo nas mãos de JESUS.
Seus olhos viram a Salvação e a paz do descanso o envolveu.

Para nós a presença de Jesus deve nos trazer segurança em relação a vida e a morte. Se não for assim, devemos pensar como estamos nos relacionando com o Salvador.

A oração que Bernard de Clairvaux, (1090-1153), fez precisa estar em nossa consciência:

"Ó Deus, eu me elevei acima de mim mesmo, tua palavra era mais elevada. Pesquisei minha natureza mais íntima, tua palavra era mais profunda. Como é que eu sabia que ela estava em mim? Ela é viva e atuante. Logo ao entrar em mim fez acordar minha alma adormecida e tocou meu coração, que fora duro como pedra. Tirou de mim o que era doentio e plantou coisa nova. Regou o que havia murchado, iluminou o que fora escuro, abriu o que fora cerrado. Endireitou, aqueceeu, aplainou. E então minha alma te louvou. Tudo o que havia em mim louvou o teu santo nome."

Márcio Melânia

25 dezembro 2016

Devocional para Domingo, 25 de Dezembro de 2016



As reações e sentimentos dos pastores e magos diante dos acontecimentos extraordinários e maravilhosos que acompanharam o nascimento de JESUS, foram de admiração, espanto, conversas, e pressa.

Muita excitação. Visita de anjos, música no céu, brilho da glória do SENHOR no meio da noite, quem não ficaria agitado diante de tudo isto? Quem não sairia apressadamente para encontrar esta criança e contar aos seus pais o que viram?

No entanto, Maria ouvia todas estas coisas e silenciosamente as guardava no coração. Ao invés de compartilhar da excitação geral, ela escolheu ouvir, aquietar e meditar. O mistério era muito grande para festas, conversas e relatos.

Diante do mistério, o melhor é silenciar o coração e meditar, acolher a Palavra de DEUS, aceitar o insondável, contemplar o inimaginável. O Natal é um convite ao silêncio e à meditação.

Usando uma oração de Lutero, podemos orar para que haja mais temor e reverência em nossos corações para com DEUS, SUA Palavra e SEU Caminho:

"SENHOR, Tu me deste a Tua Palavra e me recebeste no número daqueles que pertencem ao Teu povo, que Te conhecem, louvam e glorificam. Assim queiras dar-me a Graça de poder permanecer em Tua Palavra. Faze com que Ela seja tão clara e lúcida em meu caminho, que muitos possam receber consolo e alegria por meio Dela."


Márcio Melânia

24 dezembro 2016

Devocional para Sábado, 24 de Dezembro de 2016


O nascimento de JESUS CRISTO é celebrado com sinais que ratificam ser ele o Filho de DEUS: aparecimento de anjos, manjedoura, estrelas e presentes.
Algumas pessoas receberam a visita de anjos: Zacarias, Maria, José e os pastores. Os anjos disseram aos pastores que eles encontrariam JESUS em uma manjedoura e isso lhes seria por sinal.
Segundo o evangelho de Mateus os magos do oriente foram guiados por uma estrela e que ao se encontrarem com o EMANUEL ofertaram ouro, incenso e mirra.
Esses elementos (anjos, manjedoura, estrelas e presentes) tomaram forma de símbolos em nossos dias.
Nesta época do ano muitas casas recebem decorações especiais e há troca de presentes, mas não podemos esquecer que estamos comemorando o nascimento do Filho de DEUS.
O nascimento de JESUS CRISTO foi celebrado com louvores a DEUS.
Primeiro, das Milícias Celestiais: “Glória a DEUS nas alturas” – reconhecendo que o mérito da Salvação pertence unicamente a DEUS; “paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem” – declarando o efeito dessa Salvação.
O nascimento de JESUS CRISTO foi celebrado com testemunho acerca da sua própria pessoa, o DEUS EMANUEL, Aquele que veio se faxer presente na vida de todos nós, pois sempre está conosco.
Agora podemos apresentar à ELE uma oração de louvor dizendo assim: "O Verbo se fez carne, aleluia, aleluia!
E se fez presente entre nós, aleluia, aleluia!
Que os céus se regojizem e a Terra se alegre diante do SENHOR.
Abençoai-nos, ó SENHOR, e aos nossos dons que estamos prestes a receber.
Por meio de Cristo, SENHOR nosso. Amém.”

Márcio Melânia

23 dezembro 2016

Devocional para Sexta-Feira, 23 de Dezembro de 2016



Naquela noite em que o anjo do SENHOR visitou os pastores, eles estavam trabalhando, cuidando do seu rebanho como faziam todos os dias.

Não há nenhuma nota no texto que descreve qualquer anormalidade em suas vidas ou trabalho. Eram simples pastores cuidando do seu rebanho.

O primeiro anúncio das boas novas foi para eles. Faltava-lhes alguma coisa que desse sentido a vida, que transformasse a rotina dura das madrugadas em noites alegres e cheias de esperança.

Os mensageiros de DEUS, anjos e homens, são portadores de boas-novas, notícias que trazem alegria, renovam a esperança e promovem a salvação.

O nascimento de JESUS e sua morte e ressurreição são acontecimentos que precisam ser contados, não como fatos históricos apenas, mas como a grande notícia da salvação que traz grande alegria para quem a ouve.

A boa nova do evangelho continua sendo para você uma notícia alegre de Salvação!

Uma antiga oração na Islândia, que ainda hoje podemos orar, diz assim:

​"​Ó D​EUS, dá que o ​Evangelho seja anunciado na língua que meu povo fala — a ricos e pobres; dá que derrame ​Sua bênção sobre vales e serranias, em palavras e escritos, até os ranchos mais solitários.​"

Márcio Melânia

22 dezembro 2016

Devocional para Quinta-Feira, 22 de Dezembro de 2016



O primeiro berço de JESUS foi um cocho, o lugar onde se alimentam os animais em uma humilde estrebaria..

Na ocasião, José e Maria se deslocaram para a cidade de Belém que estava com suas hospedarias cheias, para participarem do censo decretado pelo imperador romano. Não havia lugar para José e Maria.

Hospedar e acolher é um dom espiritual que tem levado muitas pessoas a um encontro significativo com DEUS.

Na Bíblia temos vários exemplos: a viúva de Sarepta que acolheu o profeta de Deus, Abraão que hospedou os estranhos de Manre, os discípulos de Emaús que acolheram o CRISTO ressuscitado. Todos abriram casas e corações para receber estranhos que traziam a promessa de DEUS.

DEUS muitas vezes chega a nós através da presença de um estranho pedindo água, comida, descanso ou abrigo. JESUS mesmo disse que todas as vezes que dermos água, comida, hospedagem a um dos seus pequeninos, é a ELE que damos.

Precisamos aprender a ver no rosto dos outros o rosto de JESUS, tratá-los como se fosse o próprio SENHOR, abrir nossa casa e coração para acolhê-los e receber DELE a Graça de SUA presença.

Que DEUS quebre nosso orgulho, desconfiança e acomodação. Que nosso coração seja mais receptivo e acolha aos outros que precisam do nosso cuidado e amor.

Oremos como o fez Tereza de Avila (1515-1582):

"Ó JESUS, tão grande é Teu amor às pessoas, que o maior serviço que Te podemos prestar é voltar-nos para nossos semelhantes. Enquanto vivemos neste corpo mortal, todos os prazeres desta terra são duvidosos, quando não acompanhados do amor ao próximo. Quem não amar ao próximo também não ama a Ti, que deste testemunho de Teu grande amor a nós através do teu sangue."


Márcio Melânia


21 dezembro 2016

Devocional para Quarta-Feira, 21 de Dezembro de 2016


No Evangelho de João, o relato do nascimento de JESUS é o menos narrativo e o mais teológico de todos os demais.

A Palavra Eterna de DEUS veste as roupas dos homens, torna-se Palavra Encarnada, vivida, testemunhada na vida e pessoa de JESUS CRISTO.

A Graça e a Verdade deixam de ser conceitos abstratos e passam a incorporar a realidade humana. Absolutos.

 “Quem vê a mim, vê o PAI” afirmou JESUS com a certeza de que “eu e o PAI somos um”.

DEUS e o homem encontram-se no DEUS/homem, JESUS CRISTO.

Em CRISTO podemos ver a glória de DEUS.

Para um político influente, sua glória é mostrar seu poder; para uma modelo, sua glória é desfilar nas melhores passarelas do mundo e mostrar toda sua beleza; para um atleta, sua glória é subir no pódio e receber a medalha de ouro.

Mas, qual é a glória de DEUS? É mostrar seu Amor Eterno pelo homem em Seu Filho JESUS CRISTO.

Como podemos, como filhos de DEUS, refletir a SUA Glória?

Anulando a nossa própria glória e deixando a luz de JESUS brilhar!

Podemos orar como o fez, Johannes Tauler (1300-1361):

"SENHOR, é tua Graça e é teu Amor que capacitam meu coração a crer, a esperar e a amar. Posso ir a Teu encontro e abraçar-Te como meu verdadeiro amigo. Posso confiar em Ti, meu bondoso PAI. Tu és um mar de Graça, de Consolo e Amor."

Márcio Melânia


20 dezembro 2016

Devocional para Terça-Feira, 20 de Dezembro de 2016

Bem-aventurada a que creu, porque serão cumpridas as palavras que lhe foram ditas da parte do Senhor.
(Lucas 1.45)

Crer em promessas não é simples.
Vivemos num mundo onde frequentemente somos enganados, traídos e explorados. Pais, políticos, cônjuges, pastores, padres, nós todos fazemos promessas que muitas vezes frustram e nos levam a viver sob suspeitas.
Temos medo de acreditar, de empenhar nossa vida em mais um projeto cujo risco de fracasso é sempre grande.
Quando éramos crianças acreditávamos nas promessas, aguardávamos com expectativa seu cumprimento.
Crescemos e nos tornamos cínicos, desconfiados, mais “espertos” ou, como alguns preferem, maduros.

Mas a vida cristã consiste em nos tornarmos novamente crianças, resgatar a capacidade de crer, confiar e esperar.
Maria creu nas palavras do SENHOR, confiou em suas promessas, mesmo que estas lhe parecessem absurdas.
Sua atitude foi como uma criança que se deixa ser conduzida, abençoada, ensinada.
Tornou-se bem-aventurada porque as palavras do SENHOR foram cumpridas, ela engravidou-se de DEUS e viveu a graça de ser parte do seu propósito para a salvação do homem.
Questionemo-nos, então, se somos hoje cristãos cínicos ou bem-aventurados porque temos crido nas promessas do Senhor.
Ou, oremos como Tomás a Kempis:

"Fala, Senhor, nós queremos ouvir. Pessoas pronunciam palavras, mas tu és quem as enche de Espírito.
Pessoas ensinam a letra, mas és tu quem abre o entendimento.
Não permitas que tua palavra se transforme em juízo para nós por a ouvirmos sem cumprir, por acreditarmos nela sem obedecer-lhe."

Márcio Melânia

19 dezembro 2016

Devocional para Segunda-Feira, 19 de Dezembro de 2016


Todos nós somos tentados a pensar que os grandes feitos de DEUS necessitam de personalidades famosas, figuras poderosas e ricas; mas a história da redenção nos mostra um caminho inverso, porque o poder de Deus se mostra por meio das fraquezas dos homens. “Quando sou fraco, então é que sou forte”.
Maria, mãe do SALVADOR, compreendeu que o que DEUS fez com ela foi mais do que uma experiência pessoal, foi uma realidade profética.
Sua resposta obediente a DEUS dispersa os soberbos e orgulhosos, derruba os tronos dos poderosos, exalta os humildes, cuida dos famintos e abate a prepotência dos ricos.
A escolha de Maria simboliza o caminho por onde DEUS realiza seus propósitos, são as coisas loucas e fracas do mundo envergonhando e reduzindo a nada aqueles que pensam ser alguma coisa.
Será que nós estamos esperando possuir algum recurso para servir a Deus, ou temos oferecido a ele nossa fraqueza para que por meio dela ele manifeste seu poder?
Que DEUS nos ajude a ver e compreender a forma como Seu reino de Amor e Justiça se manifesta entre nós e que nos ofereçamos a ELE em obediente submissão para que nos use segundo sua vontade.

Márcio Melânia

18 dezembro 2016

Devocional para Domingo, 18 de Dezembro de 2016

"Então disse Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador, porque contemplou na humildade da sua serva. Pois desde agora todas as gerações me considerarão bem-aventurada, porque o Poderoso me fez grandes coisas. Santo é o seu nome. A sua misericórdia vai de geração em geração sobre os que o temem. Agiu com o seu braço valorosamente; dispersou os que no coração alimentavam pensamentos soberbos. Derrubou dos seus tronos os poderosos e exaltou os humildes. Encheu de bens os famintos e despediu vazio os ricos. Amparou a Israel, seu servo, a fim de lembrar-se da sua misericórdia, a favor de Abraão e de sua descendência para sempre, como prometera aos nossos pais."

(Lucas 1.46-55)

Neste registro do canto de louvor de Maria, mais conhecido como “magnificat”, ela extrai da sua alma o sentimento mais profundo de gratidão pela graça de DEUS.

DEUS a contemplou, olhou para ela, a escolheu entre tantas outras mulheres para ser a Sua serva. Sua simplicidade e humildade tornaram seu coração receptivo, acolhedor e grato. DEUS realiza suas grandes obras através de pessoas simples, tementes, alegres e dispostas a obedecer.

Foi assim que DEUS realizou seus grandes feitos através de Abraão, Davi, Isaías, Jeremias, Pedro e muitos outros. Foram pessoas simples, pecadoras, limitadas e desprovidas de grandes recursos pessoais.

DEUS as escolheu porque olhou para a humildade dos seus corações e viu que ali não havia lugar para a soberba, apenas lugar para gratidão e louvor a DEUS.

Ainda hoje DEUS procure por mulheres e homens para escolhê-los e chamá-los para um serviço de adoração e louvor a ELE.

Supliquemos por um coração mais humilde, obediente e grato pelo que DEUS tem feito e fará em nós e através de nós.

Que sejamos como Jan Hus (1369-1415), reformador e mártir tcheco que escreveu:


"Cristo fiel, faze-nos seguir a ti, homens fracos que somos. Dá-nos um espírito corajoso e pronto para obedecer, um coração sem temor, munido de fé verdadeira e esperança firme. e se formos fracos, que tua graça nos abra caminho."

Márcio Melânia

17 dezembro 2016

Devocional para Sábado, 17 de Dezembro de 2016

Filho de DEUS e Filho do Homem são os dois nomes que descrevem a natureza de CRISTO.
Para a igreja sempre foi difícil compreender este mistério, aceitar esta combinação improvável da natureza divina e humana numa só pessoa.
Ora o vemos como DEUS, ora como homem, mas como homem/DEUS é um mistério que transcende nossa limitação racional. Olhar para aquela criança na manjedoura de Belém e reconhecer nela não apenas um bebê, mas o próprio DEUS, exigia e continua exigindo fé.
Mas a criança de Belém era e é o Filho de DEUS, gerada pelo ESPÍRITO SANTO e enviada para ser nosso SALVADOR.
Somente o Filho do Homem e o Filho de DEUS poderia realizar esta obra redentora. Nosso SALVADOR não poderia ser apenas um homem, igual a nós, pecador como nós; nem tampouco somente DEUS, totalmente diferente de nós. CRISTO é o DEUS que se fez homem, absolutamente DEUS e absolutamente homem que nos trouxe por sua morte e ressurreição, a reconciliação dos homens com DEUS.
"Senhor, agradeço-te por me teres criado segundo a tua imagem, para que te conheça e ame. Mas essa imagem se acha de tal modo corrompida por pecados, que não consegue cumprir a tarefa para a qual foi criada, a não ser que tu a renoves e recries através da fé em teu Filho crucificado Jesus Cristo. Desejo apenas entender uma pequena parcela de tua verdade, que meu coração crê e ama. Pois não procuro compreender para poder crer, antes creio para poder compreender."
Anselmo de Cantuária.

Márcio Melânia

16 dezembro 2016

Devocional para Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2016

Os anjos foram arautos do recém-nascido SALVADOR, que apareceram somente a uns pastores pobres, humildes, piedosos, trabalhadores, que estavam muito ocupados em seu trabalho, vigiando seus rebanhos.
Nós também, não estamos fora do caminho das visitas divinas quando estamos empregados em uma vocação honesta e permanecemos com DEUS junto à nós. 
Que coloquemos em DEUS tenha a honra em toda obra que fizermos; Glória a DEUS nas alturas. A boa vontade de DEUS para com os homens, manifestada no envio do MESSIAS, redunda para sua Glória exclusivamente.
Outras obras de DEUS também são para sua glória, mas a redenção do mundo por meio de JESUS é para sua glória nas maiores alturas!
A boa vontade de DEUS ao enviar o MESSIAS trouxe a paz a este mundo. A Paz é aqui colocada é para tudo o de bom que flui a nós desde que CRISTO assumiu nossa natureza, mesmo que estejamos em plena guerra.
Ditado fiel é este, avaliado por uma companhia incontável de anjos, e bem digno de toda aceitação: "que a boa vontade de DEUS para com os homens seja/é Glória para Deus nas alturas, e muita Paz na terra.
Os pastores não perderam tempo; partiram apressadamente para o lugar onde ELE estava. Ficaram satisfeitos e saíram a anunciar por todas partes acerca deste menino, que era o SALVADOR, CRISTO, o SENHOR.
Maria observava cuidadosamente e pensava em todas estas coisas, que eram tão boas para vivificar seus piedosos afetos. Deveremos ser livres dos erros de julgamentos e prática se ponderarmos mais plenamente sobre estas coisas em nossos corações.
Ainda hoje, é proclamado em nossos ouvidos que nos nasceu o SALVADOR, CRISTO, o SENHOR. Esta deve ser a boa notícia que devemos espalhar para todos.

Rev. Mathew Henry
Adaptado por Márcio Melânia

15 dezembro 2016

Devocional para Quinta-feira, 15 de Dezembro de 2016

Gostamos de guardar coisas que nos lembrem os momentos marcantes em nossa vida.

Alguns tiram fotografias e as compartilham. Principalmente hoje, na internet, fotos são expostas em grande quantidade e a todo momento.

No entanto, as coisas mais importantes na vida de uma pessoa são registradas e guardadas num lugar muito pessoal e secreto: o coração. Esse é o melhor lugar para se guardar as coisas que fizeram a diferença na vida de alguém.

Maria, a mãe de Jesus, era uma mulher que fazia isso. No meio de toda a turbulência que circundou o nascimento de JESUS, diz o texto bíblico de Lucas, capítulo 2, versículo 19: “Maria guardava todas essas coisas no seu coração e pensava muito nelas”.

Sem dúvida, a vida de Maria havia mudado totalmente de direção quando lhe foi anunciado que seria mãe de JESUS, o Salvador de pessoas do mundo.

Como qualquer mulher ela queria tranquilidade para ter o seu filho. Isso não foi possível, nem aconteceu. Mas, no seu coração ela tinha paz, pois estava com DEUS.

No coração podemos guardar as verdades mais profundas e que podem mudar o curso de nossa vida.

Quando guardamos a palavra de DEUS no coração, temos como resultado prático, uma vida de amor e a serviço do Reino de DEUS.

A Paz e o Perdão de JESUS têm a força de mudar os rumos da história de nossa vida. Assim como aconteceu com Maria.

Que DEUS nos abençoe com um coração repleto de Amor, Perdão, Paz, Fé e da Palavra de DEUS e que possamos guardar tudo isto em nossos corações.


Márcio Melânia


14 dezembro 2016

Devocional para Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2016

Uma das dificuldades da vida da fé é compreender os mistérios de DEUS.
No anúncio do anjo a Maria, JESUS é apresentado como grande, Filho do Altíssimo, o rei que assumirá eternamente o trono de Davi. Mas vemos JESUS nascendo numa estrebaria, numa pequena e pobre vila, filho de um marceneiro, que entra em Jerusalém, cidade do trono de Davi, montado num jumento para ser preso, condenado e crucificado.
Onde fica o grande, o Filho do Altíssimo, o rei? O mistério está na natureza da grandeza, do Pai e do reino.
Compreender os mistérios de DEUS é o desafio da fé. Por ela aceitamos que a grandeza não será medida pelo poder, mas pelo amor, que ser Filho do Altíssimo não será definido por privilégios, mas pela obediência e que seu reinado não será estabelecido politicamente, mas no coração transformado e apaixonado pela justiça, pelo direito e pela vida.
Temos compreendido o mistério da fé? Reconhecemos e seguimos o REI em seu Caminho para a cruz?
Que o SENHOR nos ensine a seguir o caminho do discipulado, da fidelidade e do compromisso com seu reino.

Rev. Ricardo Barbosa de Sousa
Adaptado por Márcio Melânia

13 dezembro 2016

Devocional para Terça-feira, 13 de Dezembro de 2016


Jeremias 29.11, 12

Este é um verso muito conhecido dos cristãos, mas muitas vezes é usado de uma forma muito contrária ao que DEUS de fato pretende nos ensinar.
No contexto desse versículo Deus está trazendo uma mensagem aos anciãos que estão no cativeiro da Babilônia. A profecia trata do tempo de setenta anos que foi profetizado para que o povo de Israel voltasse a Jerusalém:

"Assim diz o SENHOR: Logo que se cumprirem para a Babilônia setenta anos, atentarei para vós outros e cumprirei para convosco a minha boa palavra, tornando a trazer-vos para este lugar"
Jeremias 29:10.

Percebemos no versículo 10 do presente capítulo que o plano de DEUS para o povo de Israel era que voltasse do cativeiro e edificasse novamente a cidade de Jerusalém e o templo de Salomão.
Depois dos setenta anos de cativeiro, Esdras, Neemias e muitos outros foram a Jerusalém e a edificaram contra todas as dificuldades que enfrentaram.
Esta não era a vontade do povo que queria permanecer em Babilônia, o centro do mundo antigo. Tanto é verdade que poucos foram os que voltaram pela primeira vez com Neemias (o relato dessa história está nos livros de Neemias e Esdras).
O plano de DEUS nem sempre é o que pensávamos que ia ser. Mas o plano de DEUS é sempre o melhor mesmo se não entendemos no momento. Sabemos porém, que DEUS age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam. (Romanos 8:28).
Sabemos que quando Deus fecha uma porta, ele abre outra. Sabemos que Deus está trabalhando através de todos os eventos em nossas vidas para nos tornar mais e mais dependente de SUA vontade.
Deus vê o nosso amanhã antes que se torne o nosso ‘hoje.’ Ele vê o início da nossa vida e Ele vê o fim e tudo entre o começo  e o fim.
O Salmo 139:16 diz:
Os teus olhos viram a minha substância ainda informe, e no teu livro foram escritos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia nem um deles.”
Jeremias continua e nos dá outra bela promessa da palavra de Deus: “Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim, e eu os ouvirei. Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração. (v 12,13).
Os planos de DEUS para nós são sempre os melhores.

Márcio Melânia

12 dezembro 2016

Devocional para Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016

“Fé significa que estamos dando substância às coisas esperadas, e provamos estas ainda que não sejam vistas”.

Leia o mesmo versículo em quatro outras versões da Bíblia:

J.B. Phillips
“Ora, a fé significa que temos confiança total nas coisas que esperamos, significa ter certeza de coisas que não podemos ver.”

NEI
“Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.”

Linguagem de Hoje
“A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não vemos.”

Bíblia Viva
“Que é a fé? É a convicção segura de que alguma coisa que nós queremos vai acontecer. É a certeza de que o que nós esperamos está nos aguardando, ainda que não o possamos ver adiante de nós.”

Fé não é fechar os olhos e dizer: “Vai dar certo”, ou, “tem que acontecer”. Não é pensamento positivo, nem confissão positiva. O alicerce da fé são as promessas da palavra de DEUS.
A fé, na Bíblia, está sempre ligada à confiança que o homem deposita na palavra do Deus vivo, fiel e verdadeiro (Números 23.19; Tito 1.2).

Que DEUS aumente nossa fé.

Pr. José Humberto de Oliveira
Adaptado por Márcio Melânia

11 dezembro 2016

Devocional para Domingo, 11 de Dezembro de 2016

REFÚGIO é abrigo no perigo e nos mostra que somente ELE, o nosso grande DEUS, é nossa real segurança nas tempestades da vida.
FORTALEZA é a força divina nas nossas lutas contra inimigos, sejam visíveis ou invisíveis.
Os Salmos usam muito a imagem de uma fortaleza para descrever DEUS.
No antigo Oriente Médio, as cidades eram construídas em lugares altos, com altas muralhas, para sua defesa.
Ainda assim, não havia cidade ou estrutura defensiva impenetrável. O salmista fala aqui, no entanto, daquele que é O nosso porto inteiramente seguro.
DEUS é o refúgio seguro para o SEU povo, contra tudo, real ou imaginário.
ELE está bem perto de nós (EMANUEL) e deseja que o busquemos em todos os momentos de nossas vidas.
Seja nos momentos de adversidades, nos momentos de lutas, nos momentos de dor e sofrimento ou nos momentos de  tristezas.
ELE é poderoso e suficiente para agir e nos dar vitórias em qualquer situação. ELE é presente e nunca nos deixa só. Nós não temos o que temer.
DEUS é o nosso refúgio e fortaleza é o nosso socorro bem presente em todos os momentos da nossa vida.

Márcio Melânia

10 dezembro 2016

Devocional para Sábado, 10 de Dezembro de 2016

"Ele mostrou a você, ó homem, o que é bom e o que o SENHOR exige: pratique a justiça, ame a fidelidade e ande humildemente com o seu DEUS."
Мiquéias 6:8

Já está escrito o que DEUS requer de nós. Não é necessário ter dúvidas sobre as suas exigências:

1) Pratique a justiça.
2) Ame a fidelidade.
3) Ande humildemente com o seu DEUS.

Às vezes a gente inventa, complica, espiritualiza... Mas DEUS é simples.
E o que é esperado de nós também é simples. Justiça, Fidelidade e Humildade. Só isso!
Miqueias ensinou que a verdadeira religião leva a pessoa a uma comunhão íntima com o SENHOR, e que, dessa comunhão, brota conduta íntegra para com os demais.
O teólogo Russel Normam Champlin disse que para Miqueias, a fé em DEUS deve resultar em justiça social e santidade pessoal e essas coisas só podem coexistir quando há a efetiva presença de DEUS.
Essas três exigências: praticar a justiça, amar a misericórdia e andar humildemente com DEUS não podem ser desmembradas.
Isso porque é possível praticar a justiça de forma severa e inflexível sem misericórdia. Também pode haver misericórdia sem justiça. Também é fácil encontrarmos gente que diz que anda humildemente com DEUS, mas que dá à justiça e à misericórdia pouco espaço em sua vida.
Cabem muito bem aqui as sábias palavras do salmista Davi: “Os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás.” (Salmo 51.17).

Márcio Melânia

09 dezembro 2016

Devocional para Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Este Salmo demonstra na visão do seu compositor o cuidado extremo de DEUS conosco.
Este belo hino era cantado na subida para Jerusalém, o poeta começa descrevendo o cuidado de Deus com uma possibilidade comum -- o tropeço -- que Deus torna impossível.
Nossa caminhada é feita em meio a curvas, buracos e pedras. Assim são as estradas, cheias de curvas, e nós não sabemos o que vem depois delas, mas Deus as conhece e nos guarda.
São assim as ruas das cidades, cheias de buracos, e nem sempre os vemos, mas Deus os vê e nos guarda. Os nossos caminhos são feitos de obstáculos, como Deus nos guarda em nossa caminhada na vida, evitando que tropecemos.
Ele é como um salva-vidas na praia, que a tudo vê.
O guardião (ou protetor ou sentinela) está sempre alerta. Ele não dorme, nem cochila. Ele não tira férias, nem folga. Como Baal, os deuses dormem (1Reis 18.27), mas Deus sequer cochila.
Então, podemos dormir porque o sentinela divino não dorme. Podemos nadar porque o guardião não falha. Podemos viver porque Deus está ao nosso lado.
Podemos nos lembrar sempre que DEUS é EMANUEL, sempre está conosco e não deixará que nossos pés tropecem.

Márcio Melânia

08 dezembro 2016

Devocional para Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

O que é liberdade? O que é  ser livre? Há um verso bíblico que diz:
"Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? Mas graças a DEUS que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça." (Romanos 6.16-18)
Libertados do pecado…servos da justiça – então, libertados de quê? se tornamos escravos de quem ou de quê está se servindo.
Todos brigam por liberdade, mas na verdade são escravos com capa de  liberdade.
Qual a liberdade do preso, que ao ser solto não consegue se manter de forma justa? continuará preso do mesmo jeito.
A verdadeira liberdade consiste em conhecer os próprios limites.
"Andarei em verdadeira liberdade, pois tenho buscado os teus preceitos." (Salmos 119.45)
O homem quer ser livre para fazer o que quer, o que deseja o seu coração independente de qualquer coisa e se utiliza de muitos recursos e preceitos para chegar no alvo, mas a verdadeira liberdade é o homem buscar não somente o que é justo, mas o que é certo e se tornar "escravo" disto.

Não temos liberdade de mudar o natural das coisas, pois as consequências serão drásticas.A liberdade tem uma lei e desta não podemos fugir. "Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade." (Tiago 2.12)

O que temos visto é que muitos tem se aproveitado da “liberdade” para fazer o que é contrario a natureza, o que é mal, sem pensar nas consequências.
A liberdade tem um preço, não só para ser livre, mas, também, para se manter e viver livre.
Se compreendemos esta assertiva, livramos nossa vida de consequências que não almejamos.

Márcio Melânia

07 dezembro 2016

Devocional para Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

A ansiedade é o grande mal moderno.
A pessoa ansiosa se "pré-ocupa" antes do tempo, antecipa os sofrimentos e vive hoje os problemas de amanhã (e amanhã de novo).
Muitas vezes criamos expectativas que fantasiam uma realidade difícil de acontecer, o que gera frustração.
Entretanto, o sábio Salomão oferece o tratamento para esse mal. Não são remédios de tarja preta, mas “uma palavra bondosa”.
Segundo esse médico da alma, a palavra bondosa “anima” o deprimido.
Por isso, a Bíblia nos ensina a fazer exortações, ou seja, nos encorajar mutuamente (Hebreus 3.13). Ela ensina como tais exortações fortalecem os que seguem a CRISTO (Atos 20.2).
JESUS conhecia o coração humano e por isso também falou de ansiedade.
Poderia tratar de muitos assuntos práticos e reais, mas foi ao profundo da alma das pessoas onde está seu maior sofrimento. (Mateus 6.25-34).
Entre outras coisas, JESUS  diz que o amanhã pertence a DEUS, mas o presente ELE deu a nós.
Ao invés de olhar somente para os problemas, contemplemos a fé no DEUS dos impossíveis. Certamente a presença de DEUS nos traz a segurança que precisamos para vencer a ansiedade.

Márcio Melânia

06 dezembro 2016

Devocional para Terça-feira, 06 Dezembro de 2016

Essa pergunta tem sido difícil para muitos, pois é fácil chamar a CRISTO de SENHOR, difícil, é fazer a sua vontade.
As vezes quando oramos: “seja feita a vossa vontade”, é mentira, porque a vontade de DEUS é a que menos importa.
 O contexto deste verso é a parábola em que CRISTO faz a comparação entre dois construtores.
Os dois vêm a CRISTO e ouvem as suas palavras. Um deles, não apenas ouve, também as pratica.
Esse, diz JESUS: “é semelhante a um construtor que edificando uma casa, cavou, abriu profunda vala e lançou o alicerce sobre a rocha, e, vindo a enchente, arrojou-se o rio contra aquela casa e não pode abalar por ter sido bem construída.”
O que abala, derruba, destrói uma casa, uma vida, não são os ventos, as enchentes, as tempestades, as tormentas, tudo depende do lugar em que a casa é construída, qual o tipo do alicerce.
O outro homem, também ouviu as palavras de CRISTO, mas não as praticou. Ele também construiu uma casa para si, mas não tinha alicerces, e nem estava edificada sobre uma rocha; então, quando o rio jogou-se contra ela, a casa logo desabou.
As palavras foram ditas aos dois, os dois edificaram para si uma casa, as tempestades e os rios arrojaram-se sobre as duas casas, só uma permaneceu firme.
No Salmo 124, Davi afirma: “Se não fosse o SENHOR que estivesse do nosso lado... então as águas teriam transbordado sobre nós e a corrente teria passado sobre as nossas almas.”
Mas nós escapamos, o SENHOR nos livrou, ELE é rocha firme.
Mesmo que os rios e as ventanias venham sobre nós, e virão, "os que esperam e confiam no SENHOR, os que construíram suas casas sobre essa rocha que é CRISTO, “não se abalam, permanecem para sempre”, (Salmos 125), são arvores plantadas junto a ribeiros que dão o seu fruto na estação própria (Salmo 1), que tem raiz e não são levados por qualquer vento.
Somente em CRISTO estamos seguros. ELE é a rocha que que sustenta e não deixa que nada abale aos que ouvem e praticam suas palavras.

Márcio Melânia

05 dezembro 2016

Devocional para Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Estas palavras foram ditas por DEUS à  Salomão, o mais sábio dos seres humanos. Ele transmitiu ao povo este conselho para que ao perceberem a ausência de chuvas, a seca nos campos, a corrupção nas cidades e a opressão dos mais ricos,  voltassem seus corações para buscar ao Senhor e clamassem a DEUS pelo cumprimento de SUA promessa.
Em diversas ocasiões na história do povo de Israel, o povo se lembrou destas palavras e a situação em que eles se encontravam foi mudada porque algumas pessoas decidiram colocar em prática o texto acima.
O mesmo encorajamento que essa palavra trouxe para os homens do passado, ela deve trazer para as pessoas do presente.
DEUS não aboliu a Sua palavra, e Sua promessa jamais deixou de ser verdadeira.
O que DEUS proclamou ao povo de Israel há milhares de anos continua valendo para o atual Israel de DEUS : a Igreja resgatada pelo sangue do Senhor Jesus.
Recebemos de DEUS a responsabilidade de mudar a história das sociedades. O mundo não será verdadeiramente transformado através de políticas internacionais; os países não serão de fato mudados pelo desenvolvimento tecnológico e crescimento na educação; as sociedades não se tornarão melhores se adotarem uma política de desenvolvimento planejado; as pessoas não serão mais prósperas se ganharem melhores salários.
Hoje nós podemos ver a triste situação do Brasil e do mundo.
Temos ouvido falar acerca da pobreza crescente, da exploração aviltante, das desigualdades sociais, das mortes encomendadas, das guerras sanguinárias, das catástrofes ecológicas e da miséria no mundo.
O ser humano está cada vez mais corrompido e menos compassivo.
Parece que, a cada dia, os reflexos da glória de DEUS no homem têm se tornado menos perceptíveis: ele está menos parecido com DEUS.
A sociedade está, instante após instante, mais deformada.
Até mesmo “(...) a natureza criada aguarda com ardente expectativa a revelação dos filhos de DEUS” (Romanos 8.19).
É tempo de nos humilharmos, orar, e buscar a face de DEUS e nos converter dos nossos maus caminhos.

Márcio Melânia

04 dezembro 2016

Devocional para Domingo, 04 Dezembro de 2016

Consagrar significa dedicar a DEUS tudo que fazemos e o que pretendemos fazer.
É colocar DEUS como parceiro de tudo, entregar tudo a ELE, submeter tudo à SUA vontade, estar pronto a fazer com que tudo que aconteça ou que conquistemos seja para honrar o nome de DEUS.
Consagrar é confiarmos que DEUS está na direção de tudo e fazermos a nossa parte, agradando-O. Isso é consagrar.
Significa dependência de Deus para fazer as coisas acontecerem.
Não podemos agir sozinhos, sem contar com a bênção de DEUS, pois nossos planos podem ser frustrados e nossas ações não valerem de nada.
O verso, junto com outros no início do capítulo, afirma que DEUS está por trás de tudo o que acontece.
Isso não serve para fazer-nos desistir — pelo contrário, serve para nos animar, especialmente nas coisas que se referem à DEUS.
DEUS quer que tenhamos sucesso, na vontade DELE , no SEU reino, na busca da SUA justiça e garante pleno sucesso quando entregamos tudo a ELE.
Dediquemos, portanto, tudo ao SENHOR e ELE satisfará os desejos de nosso coração.

Márcio Melânia

03 dezembro 2016

Devocional para Sábado, 03 de Dezembro de 2016


A idéia predominante neste salmo é que o DEUS que criou os céus e a terra vigia aqueles que NELE confiam e na sua Palavra, e tem cuidado deles. Nenhum mal poderá destruir sua comunhão com Deus nem seu acesso a ELE.
Em Isaías 26.16 está escrito que eles “derramaram a sua oração secreta”. Oração é a nossa principal arma, devemos orar mais ao SENHOR, devemos buscar mais a face DELE e permanecer firmes em SUAS promessas.
Paulo já nos advertiu em sua carta aos Romanos no capítulo 12 e versículo 12 que devemos nos alegrar na esperança, sermos pacientes na tribulação e perseverantes em oração.
Nos nossos momentos de angústia e aflição DEUS cuida,  livrando, amparando, sustentando, guardando.
Abramos o coração diante de Deus e com certeza ELE nos responderá.

Márcio Melânia

02 dezembro 2016

Devocional para Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

Palavras do SENHOR JESUS CRISTO, que muitos não desejam e até rejeitam ouvir. Seguir a JESUS pode significar e significará, deixar de andar por nossa própria conta, fazendo as coisas ao nosso modo. E ainda, significará não fazer algo que desejamos, pela simples razão de que entendemos não ser o que CRISTO aprovaria. Como podemos ver, JESUS desencoraja seguidores que não estejam dispostos a mudanças, que não estejam dispostos a reavaliar seus próprios caminhos e submeter-se a ELE. Seguir a JESUS não significa seguir certos rituais, regras ou métodos. Embora possamos usar tudo isso como forma de apoiar nossa vida de discípulos de CRISTO, nada disso é seguir a CRISTO. Segui-LO é uma experiência de morte e vida. É radical assim. É, dia a dia, pouco a pouco, mas perseverante e consistentemente, ir morrendo para si mesmo e ir aprendendo a viver para CRISTO. Na prática é ir mudando o centro de governo de nossa história, de nossa vontade e desejos, para a vontade de DEUS e SEU Reino. Para entender isso é preciso se colocar a caminho. É preciso entregar-se e começar a seguir. Facilmente acreditamos que a vida é tanto melhor quanto mais desejos realizamos. Se assim fosse, todos os ricos seriam felizes e todos os pobres, infelizes. Mas não é verdade. Seguir a CRISTO não eliminará a possibilidade de realizar desejos, pelo menos não todos! Mas a razão e a motivação do que fazemos mudará. Para seguir na direção que de fato nos faz chegar ao propósito de nossa vida, é preciso optar por se guiar pela fé em CRISTO , pela confiança no que ELE fez e falou, em quem ELE é. Por isso é que JESUS afirmou que quem quiser salvar a própria vida vai perde-la, mas quem perder a vida por amor a ELE, a salvará. Percebe como é arriscado seguir a CRISTO? Mas é, ao mesmo tempo, o melhor caminho, o mais seguro. Sigamos e prossigamos! Márcio Melânia

01 dezembro 2016

Devocional para Quinta-feira, 01 de Dezembro de 2016

O que mais precisamos nessa vida?
Comida? Uma boa casa? Roupas? Dinheiro? Profissão? Oportunidades? Saúde? Bons negócios? Viagens? Amigos? Parentes?
Tudo isso é bom e importante. Mas o que todos precisamos mesmo é de ESPERANÇA para a vida.
Quando se perde a esperança, se perde a vontade de viver. E qualquer um de nós é tendente a não continuarmos quando os obstáculos chegam.
Por vezes paramos nossa vida por causa da doença, da morte, do desprezo, do deboche, do sarcasmo, da fofoca, da provação, dos erros, da crise, entre tantos outros entraves.
A Bíblia é um livro de ESPERANÇA porque apresenta o DEUS DA ESPERANÇA.
O Deus que participa na história daqueles que NELE confiam. Em diversos Salmos somos chamados a nos lançar no DEUS DA ESPERANÇA.

Salmos 39.7:
“E eu, Senhor, que espero? Tu és a minha esperança.”

Salmo 46.1-3:
“Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares; ainda que as águas tumultuem e espumejem e na sua fúria os montes se estremeçam.”

Salmo 62.5:
“Somente em Deus, ó minha alma, espera silenciosa, porque dele vem a minha esperança.”

Salmo 65.5:
“Com tremendos feitos nos respondes em tua justiça, ó Deus, Salvador nosso, esperança de todos os confins da terra e dos mares longínquos.”

Salmo 71.5:
“Pois tu és a minha esperança, SENHOR Deus, a minha confiança desde a minha mocidade.”

Salmo 146.5 :
“ Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio, cuja esperança está no SENHOR, seu Deus.”

Portanto, não joguemos fora nossa esperança em Deus simplesmente porque os problemas chegaram.
Se abraçamos nossos problemas e focamos neles, com certeza cairemos.
Não importa o tamanho do nosso problema, mas o tamanho de nosso DEUS . Ele permite tudo com um propósito.

Quando começamos a perder toda a esperança em nós mesmos, nas pessoas e nas circunstâncias ao nosso redor, nos tornamos um forte candidato a experimentar o DEUS DA ESPERANÇA.

Quando a corda da nossa vida estiver totalmente ligada no DEUS DA ESPERANÇA, seremos sustentados diariamente por ELE.

Márcio Melânia

30 novembro 2016

Devocional para Quarta-feira, 30 de Novembro de 2016

Filipenses 4.19

Que fazer diante desta promessa?

1. Recebamos as bênçãos como bênçãos de Deus, não como fruto do acaso, nem como fruto do seu esforço pessoal. Bênção é bênção. Vem da Graça. Lembremo-nos: DEUS supre as necessidades dos que crêem NELE.

2. Peçamos a DEUS que abençoe-nos. A recomendação paulina neste mesmo capítulo é clara: "Não ande ansioso por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresente seus pedidos a DEUS" (Filipenses 4.6). Lembremo-nos: DEUS supre as necessidades dos que vão a ELE confiantemente.

3. Abençoemos os outros.  Doemos aos outros, como sacrifícios (ofertas) apresentados a DEUS como cheiro suave. Facamos isto com prazer, não por necessidade, não como se fosse uma troca. Recebemos de graça? Demos de graça. Lembremo-nos: DEUS supre as necessidades dos que suprem os outros.

4. Fortaleçamo-nos no poder de DEUS .
Em DEUS,  podemos todas as coisas, todas as coisas que exaltarão a Glória de DEUS. Desenvolvamos a SUA confiança. Deixemos que DEUS , "com as suas gloriosas riquezas", fortaleça-nos "no íntimo do seu ser com poder, por meio do seu Espírito" (Efésios 3.16). Lembremo-nos: DEUS supre as necessidades dos que se acham fracos diante dEle.

Pastor Israel Belo de Azevedo
Adaptado por Márcio Melânia

29 novembro 2016

Devocional para Terça-feira, 29 de Novembro de 2016

Que interessante é  descobrir  que “Vinde” não é verbo na expressão “vinde a mim”.
Verbo, como sabemos, indica uma ação. E no caso deste verso, a Bíblia não usa um verbo, mas um advérbio de lugar (pode ser de tempo, também).
Jesus, nesta palavra, coloca um significado diferente do que pensamos se admitimos ser "vinde" um termo "verbal".
Como sempre, ao lermos o contexto descobrimos que ELE usou uma locução adverbial, desta forma: “vinde para junto de mim” ou preferencialmente “vinde para o meu lado”.
Entendemos assim pois o verso 29 diz: “tomai sobre vós o meu jugo”. “Jugo” é canga, e canga é para uma parelha de animais.
Dai vir para o lado de Jesus é andar parelho com Ele e não apenas achegar-se a Ele.
O convite está posto, se cansados e sobrecarregados, podemos dividir a carga com ELE.
Que tal andarmos pareados com JESUS?

Márcio Melânia

28 novembro 2016

Devocional para Segunda-feira, 28 de Novembro de 2016

Que promessa maravilhosa!
Quando não estamos em meio à dificuldades ou tribulações é muito fácil aceitarmos esta promessa.
Mas se estivermos em uma hora escura – quando o Senhor a permite – com medo e solidão, então precisamos confirmar nossa fé e nos agarrar bem forte nessa promessa de Deus.
Mesmo nessa condição devemos e queremos dar crédito inabalável a esta palavra. Jesus continua no barco!
O Senhor não diz: “não ficarás abandonado...”, mas a garantia é extra: “[Eu] não te deixarei...”.
Ninguém menos que o próprio DEUS estará conosco. O DEUS EMANUEL.
O Senhor também não diz “não vos deixarei” mas “não te deixarei”. O Senhor não se dirige a massa, mas ao individuo. ELE trata individualmente com cada um de nós.
Na segunda parte do versículo vemos que o Senhor ainda reforça o que disse: “Jamais te abandonarei”.
Em outras palavras Ele reforça e repete, como se fosse dizer: “Não importa o tamanho da provação, Eu lhe dei dupla promessa de estar com você!”
Davi experimentou isso quando no vale da sombra da morte: “... não temerei mal algum, porque tu estas comigo” (Salmo 23.4).
De hoje em diante louvemos a Jesus, crendo que Ele está conosco nas vinte e quatro horas do dia, apesar de nossos sentimentos.
Glória ao DEUS EMANUEL!

Márcio Melânia

27 novembro 2016

Devocional para Domingo, 27 de Novembro de 2016

O perdão deve ser uma escolha diária.
Escolhemos perdoar, tenhamos vontade ou não de fazê-lo. É uma decisão, e não um sentimento.
Se esperarmos os sentimentos agradáveis aparecerem, pode demorar a vida inteira.
Se lhe vem à memória alguém que você tem dificuldade de perdoar, peça ajuda a Deus. Ore por essa pessoa de todas as maneiras que conseguir imaginar.
É impressionante como DEUS quebranta nosso coração quando oramos pelos outros. A raiva, o ressentimento e a mágoa se transformam em amor.
Por vezes, jogamos a culpa em Deus por algo que consideramos injusto e que nos afetou de alguma maneira. Peçamos que ELE nos mostre se temos agido assim em alguma área. Não deixemos que o rancor limite a atuação de DEUS em nossa vida.
Algumas vezes também acontece de ficarmos nos culpando excessivamente por erros ou fatos dolorosos de nossa vida.
Se esse é o seu caso, peça que DEUS o ajude a perdoar a si mesmo pelas vezes em que você falhou.
DEUS quer nos capacitar para amar nossos inimigos conforme ELE mesmo ordena na Palavra.
Só ELE pode nos ensinar a abençoar os que nos amaldiçoam e perseguem e nos transformar numa pessoa que perdoa prontamente.

Stormie Omartian
(Adaptado por Márcio Melânia)

26 novembro 2016

Devocional para Sábado, 26 de Novembro de 2016

Este texto é comumente usado para comater o exagero do materialismo que excomunga a fé da vida do cristão.
Acredito que muito além disto, o Apóstolo Paulo está colocando “fé” aqui como algo provisório, visto que na eternidade não precisaremos mais dela.
Assim sendo, “andamos por fé e não pelo que vemos” significaria, então, algo como “andamos por fé porque é dela que precisamos agora para ver aquilo que ainda não vemos (ou, o que vemos como por espelho, obscuramente). Mas quando chegar o tempo de vermos face a face [cf. 1 Coríntios 13.10-13], não precisaremos mais da fé, visto que aquilo para o que ela apontava se nos tornou em realidade concreta”.
Portanto, enquanto aqui estivermos, vivamos na dependência da fé, sem dedicarmos exclusividade ao que "vemos", mesmo sem compreendermos o que a fé é capaz de realizar no que estamos "vendo", na esperança eterna de que para onde vamos não mais viveremos este paradoxo.

Márcio Melânia

25 novembro 2016

Devocional para Sexta-feira, 25 de Novembro de 2016

Ah!, coração enganoso este nosso!

O coração, no Antigo Testamento, além de ser o local das emoções, também representa os recônditos mais profundos do nossi ser interior e o fundamento do caráter, abrangendo a mente, a vontade e as emoções (Jeremias 4.19; Provérbios 2.2).
Se analisarmos profundamente e lembrarmos da sinceridade como nossa parceira com a qual dividiriamos a nossa cama,  nela não confiariamos, por causa do enganoso coração que temos.
Nem com a mais profunda sinceridade confiamos em sua ardorosa paixão, devoção e afirmação.
Quando Deus afirma que nosso coração é enganoso, é melhor crer em Deus e acreditar nele piamente.
Não é em meu coração que eu confio, mas no Senhor dos corações que "esquadrinha a mente e prova o coração para dar a cada um o que é justo, conforme os seus caminhos e frutos de suas ações."
Enfim, nem em nós, somente NELE podemos confiar!

Márcio Melânia

24 novembro 2016

Devocional para Quinta-feira, 24 de Novembro de 2016

Deveríamos saber que os aplausos que recebemos não se dirigem a nós, mas a Cristo, a quem pertencem todo o louvor e a honra.
Ensinar de maneira piedosa ou viver de forma santa não são méritos nossos, mas de Deus. Assim, não somos nós que estamos sendo louvados, mas Deus em nós. Afinal, “o que tens que não tenha sido recebido?” (1Coríntios 4.7).
Se reconhecermos isso, não sairemos da linha nem nos tornaremos orgulhosos, mas daremos a glória a Deus. Nós também não vamos desistir do nosso chamado por causa de abuso, desgraça e perseguição.
Por sua graça especial Deus cobre a nossa glória com vergonha e com os amargos ódio, perseguição e blasfêmia do mundo. Além disso, enfrentamos desprezo e ingratidão dos nossos próprios seguidores – camponeses, cidadãos e nobres.
A animosidade e a perseguição deles ao evangelho, apesar de ocultas e internas, são mais prejudiciais do que inimigos que perseguem abertamente. Deus permite essas dificuldades para que nós não nos tornemos orgulhosos dos nossos dons, para que não sejamos infectados pela praga da honra própria.
Certamente muitos dos nossos discípulos nos honram porque estamos em posições oficiais de pregadores. Contudo, para cada um que nos honra existem centenas que nos odeiam, desprezam e perseguem.
A blasfêmia e perseguição dos nossos oponentes, associadas ao desprezo, à ingratidão e ao ódio secreto dos nossos próprios seguidores, nos deleita tanto que facilmente nos esquecemos de tudo que se relaciona à glória pessoal. Como resultado, nós nos regozijamos no Senhor e nos mantemos na linha.

Lutero


23 novembro 2016

Devocional para Quarta-feira, 23 de Novembro de 2016

Quando você tem um talento e você o esconde,é  pior do que se você não tivesse nada, pois não irá tirar proveito para o desenvolvimento de sua vida.

Existem várias maneiras de esconder nossos talentos:

a) Privilegiando o conforto sobre o desenvolvimento.
b)Tentando passar despercebido para não se comprometer
c) Estar no grupo e não querer para pagar o preço.
d) Não assumir os riscos da exposição.

Quando você tem um talento e você esconde-o, não beneficia aqueles ao seu redor:

a) Testemunhando e nem mesmo desejando um testemunho para compartilhar
b) Não servindo a Deus, mesmo tendo dons dados por ele
c) Não dá conselhos, apesar de ter sabedoria para fazê-lo
d) Não demonstra amor mesmo sabendo amar..

Por favor, não escondam o que o Senhor lhes deu, torne-o conhecido como uma forma de honrá-Lo, para desenvolver a sua própria vida e abençoar aos outros com quem você convive.

Eu abençôo a sua vida de modo que neste momento você poderá tornar conhecido o que Deus lhe deu e, assim, cumprir o propósito para o qual este talento foi dada para você.

Pastor Daniel Gonzalez
Tradução: Márcio Melânia

22 novembro 2016

Devocional para Terça-feira, 22 de Novembro de 2016

No original, promessas referem-se às que encontramos na Palavra de Deus, é por meio delas que encontramos a verdadeira Alegria.
Muitas pessoas tentam encontrar a Alegria por meio do acúmulo de dinheiro, de bens.
Contudo, como sabemos não podemos viver apenas de pão e de bens e o dinheiro não pode comprar o ingrediente que dá a verdadeira Vida e Alegria.
A palavra de Deus traz tanto regozijo como aquele de “quem acha grande despojo”.
Não precisamos ganhar na loteria para ter alegria. Precisamos apenas ir à Palavra de Deus, estudá-la, acreditar nela e guardá-la em nosso coração.
Cada vez que você agimos assim, nossa alegria será tão grande como quem encontra grande despojo. Como que acertou uma loteria e sozinho.
Não é realmente maravilhoso que tenhamos uma fonte tão constante de Alegria à nossa disposição?
Não uma alegria que depende de condições, de “sorte” ou coisas semelhantes, mas em Deus e Sua maravilhosa Palavra, a Bíblia.

Márcio Melânia

21 novembro 2016

Devocional para Segunda-feira, 21 de Novembro de 2016

A esperança do cristão não deve ser equiparada ao otimismo infundado. Pelo contrário, trata-se da certeza bendita do nosso destino futuro e baseia-se no amor de Deus, revelado pelo Espírito Santo e objetivamente demonstrado na morte de Cristo.
O verbo (no original) denota uma situação resultante de uma ação no passado.
Quando cremos pela primeira vez em Cristo, o Espírito Santo derrama seu amor em nossos corações, e esse amor continua habitando em nós.
O amor de Deus por nós pecadores e a obediência de Cristo ao Pai foi provada por ele ter morrido por pessoas ímpias, descrentes e indiferentes para com ele e para com Deus.
O ser humano jamais teria este amor que Cristo teve, pois somos seres egoístas e pensamos apenas em nós mesmos. Talvez morreríamos por um filho, ou por alguém que temos laços e vínculos de amor, mas não morreríamos por uma pessoa só porque ela é justa ou boa.
Mas Jesus Cristo morreu por todos nós quando ainda vivíamos em uma vida de pecados, indiferentes a justiça de Deus.
Isto sim, é Amor!

Márcio Melânia

20 novembro 2016

Devocional para Domingo, 20 de Novembro de 2016

Este verso inicial do Salmo 115 nos declara que a glória de tudo deve SEMPRE ser dada ao SENHOR, caso contrário, será algo vão, inútil.
As palavras do salmista aqui revelam o seu conhecimento a respeito da grandeza do amor de Deus que resultam na humildade e em uma devoção sincera do seu coração.
Da mesma forma vemos o resultado na vida de alguns cristãos perseguidos que enfrentam prisões, dores, humilhação por amor a CRISTO.
O discurso que brota de seus corações depois de passarem por tudo isso, verem e reconhecerem o amor e a fidelidade do SENHOR com gratidão são testemunhos poderosos, onde a glória é sempre dele. Aprendamos com o testemunho dos cristãos perseguidos a sermos sinceros e perseverantes, pois a fidelidade do SENHOR nos é suficiente para confiar, agradecê-LO e entregar toda a glória ao teu nome: Jesus Cristo. Aleluia, DEUS SEJA LOUVADO!

Márcio Melânia

19 novembro 2016

Devocional para Sábado, 19 de Novembro de 2016

Na prática judaica este salmo acróstico, de louvor a Deus como Rei, era recitado pela manhã e à noite, no momento da adoração. Começar e terminar o dia com expressões de louvor e ação de graças é uma prática que pode realmente prolongar a sua vida e mantê-la saudável.
Os pesquisadores não chegaram a um consenso de como isso acontece, mas sabemos que as pessoas positivas e gratas tem maior resistência a doenças, mais bem-estar físico e mental e redução do risco de morte por doença cardíaca. Salomão, o homem mais sábio que já caminhou sobre a Terra, disse: “O coração alegre é um bom remédio” (Provérbios 17.22).
O louvor não beneficia apenas a nós mesmos, não é um assunto apenas entre nós e Deus. Pense no poderoso exemplo que damos e as impressões que passamos aos nossos filhos e às gerações seguintes quando, juntos, celebramos a fidelidade de Deus e Sua realeza em nossas vidas.
Louvar a Deus precisa estar em nossa programação diária, a despeito de nossas circunstâncias atuais. Deus não muda e Sua misericórdia, perdão, amor e fidelidade para conosco são constantes.

"Louvai-o! Louvai-o! Cante uma canção, a ELE um trono erguei, com vozes e júbilo, adorai ao Eterno Rei!"

Thandi Klingbeil

Adaptado por Márcio Melânia

18 novembro 2016

Devocional para Sexta-feira, 18 de Novembro de 2016

Deus não tem sonhos para nós, mas têm planos, pensamentos, propósitos, designos, e projetos!
O contexto deste verso explicita a situação vivida pelo povo de Israel que encontrava-se em cativeiro na Babilônia.
O desejo do povo era voltar para sua terra, para Jerusalém.
Deus, informa ao povo que, onde eles estivessem ou onde fossem, se estivessem com o Senhor, estariam dentro de seus planos e propósitos.
Nossa paz não depende do nosso estado de espírito, nem do nosso poder aquisitivo, nem do dinheiro que temos, nem de coisas aparentes, e muito menos do lugar onde estivermos, mas de procurar a paz em uma pessoa, no Príncipe da Paz: JESUS! Este sim nos garante um futuro e uma Esperança.
Temos uma Esperança e um futuro que vai muito além dos parâmetros desta vida. Temos uma viva Esperança e um futuro onde viveremos na eternidade com Deus.
Temos a esperança “de que Deus, que começou este bom trabalho entre vocês, vai continuá-lo até que ele seja terminado no dia em que Jesus Cristo voltar.” (Filipenses 1.6).
Deus seja louvado!

Márcio Melânia

17 novembro 2016

Devocional para Quinta-feira, 17 de Novembro de 2016

Comumente, plano que é bem-sucedido é aquele que consegue sucesso, que acontece segundo seus idealizadores desejam, independente se Deus foi glorificado ou não.
Porém, para o cristão que consagra tudo a Deus, o conceito de bem-sucedido é outro.O cristão sempre faz a sua parte e fica sensível ao que Deus lhe mostra como resultado.
Agindo assim, todos os nossos planos serão bem-sucedidos, ainda que em sua formatação final as coisas não tenham saído como desejou o nosso coração.
A garantia disso vem de Deus. Para muitos a morte de Jesus na cruz não foi algo bem-sucedido. Alguns olhavam para Jesus e o desafiavam a descer da cruz e salvar-se a si mesmo.
Para eles, isso seria “Jesus ser bem-sucedido”. Porém, sabemos que foi sim bem-sucedida a morte na cruz, pois atendeu a todo o desejo de Deus, a toda a Sua vontade.
Fazer a vontade de Deus e consagrar tudo a Ele é a garantia de que tudo dará certo!

Márcio Melânia

16 novembro 2016

Devocional para Quarta-feira, 16 de Novembro de 2016

Salomão, autor destes provérbios, provou tudo que a vida poderia oferecer, comparou certas coisas para nós, para que pudéssemos evitar o embaraço e a dor das prioridades erradas.
Este verso fala de uma realidade muito comum nos dias de hoje, pessoas com muito dinheiro que podem comprar tudo o que desejam, mas são infelizes, solitárias, não conhecem o amor, e não tem paz.
Por outro lado, existem pessoas que não tem dinheiro, e são muito felizes. Os tesouros de Deus são de valor incalculável e são estes que nós devemos procurar.
Façamos do temor do SENHOR a coisa mais importante na sua vida, pois nesse temor há grande recompensa e salvará você de problemas. Em outras palavras, “Mas é grande ganho a piedade com contentamento.” (1Timóteo 6.6).
Até a pobreza pode ser bom, se você teme ao Senhor.

Márcio Melânia


15 novembro 2016

Devocional para Terça-feira, 15 de Novembro de 2016

“Por causa de nada”. Isto está  no número singular conforme usado por  Paulo, mas é o gênero neutro; a expressão, portanto, é equivalente a negotio omni (em cada matéria) pela (oração) e (súplica) são substantivos femininos. Com estas palavras, Paulo exorta os filipenses, como Davi faz a todos os piedosos no Salmo 55.22, e Pedro também em 1 Pedro 5.7, para lançar todos os seus cuidados sobre o Senhor. Porque não somos feitos de ferro, de modo a não sermos abalados pelas tentações. Mas este é o nosso consolo - depositar, ou (para falar com maior propriedade) lançar nossos fardos sobre o seio de Deus, lançar tudo o que nos assedia. A confiança, é verdade, traz tranquilidade às nossas mentes, mas isto é o caso somente quando nos  exercitamos em orações. Sempre que, por isso, se somos assaltados por qualquer tentação, devemos nos recolher imediatamente à oração, como a um asilo sagrado.   O termo “peçam” é empregado aqui para denotar desejos. Ele quer que os tornemos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica, como se os cristãos derramassem seu coração diante de Deus, quando eles consagram tudo o que são e o que têm, a ele. Aqueles, na verdade, que olham para cá e para lá os confortos vãos do mundo, podem parecer estar em algum grau aliviados; mas há somente um refúgio seguro – lançar-se sobre o Senhor.  “Com ação de graças”. Como muitas vezes oramos a Deus de modo  errado, cheios de queixas ou de murmúrios, como se tivéssemos fundamento para acusá-lo, enquanto outros não podem tolerar demoras, se ele não satisfizer imediatamente seus desejos, Paulo nesta conta conjuga ação de graças com orações. É como se ele tivesse dito, que as coisas que são necessárias para nós devem ser desejadas por nós para serem recebidas do Senhor de tal maneira, que nós, no entanto, submetemos nossos afetos à sua boa vontade, e damos graças ao apresentar petições. E, sem dúvida, a gratidão terá esse efeito sobre nós - que a vontade de Deus será a grande essência de nossos desejos.    João Calvino (Adaptado por Márcio Melânia)
Google