31 janeiro 2017

Devocional para Terça-Feira, 31 de Janeiro de 2017



Cada vez mais encontramos pessoas que querem se destacar das demais.
Isto acontece na pratica de esporte, onde querem HB sobrepujar os demais. Também se vão a uma festa, querem se apresentar sempre melhores vestidos e ocuparem os melhores lugares e serem notados por todos. Se vão a uma reunião, querem ocupar lugares de destaque. No trabalho tudo fazem para que o patrão note seus esforços, não importando se, para serem promovidos, pisem e maltratem seus colegas de trabalho, tenham de falar mal ou desprestigiar o trabalho dos outros. Todos querem ocupar o primeiro lugar. Todos querem ser notados.
No tempo de JESUS CRISTO não era diferente, como nunca foi diferente na história da humanidade.
Mas, a doutrina de JESUS CRISTO contraria o modo de pensar do mundo.
O mundo incita que se ocupe os primeiros lugares onde quer que se esteja, e os discípulos de JESUS CRISTO, inebriados com as coisas do mundo e julgando que no céu seria a mesma coisa, perguntam ao Mestre: “Quem é o maior no Reino dos Céus?” (Mateus 18.1).
JESUS, conhecedor profundo dos corações orgulhosos dos homens, não se irrita com essa pergunta e nem chama a atenção dos que a fizeram e, simplesmente, “...chamou perto de si uma criança, colocou-a no meio deles e disse: “Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como as crianças, de modo algum entrareis no Reino dos Céus. Aquele, portanto, que se tornar pequenino como essa criança, esse é o maior no Reino dos Céus.” (Mt 18,2-4).
O mundo deixa claro que só é importante aqueles que ocupam os primeiros lugares, e JESUS CRISTO diz: Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos e o servo de todos.” (Marcos 9,.35). O mundo prega a ganância, o orgulho, a vaidade; JESUS CRISTO prega a humildade, a simplicidade, a caridade, o amor.
Eis exposto o mistério da fé. Posto diante de nós os dois caminhos.
Oremos, declarando diante de DEUS a nossa escolha, como fez Josué (24.15): "Eu e minha casa serviremos ao Senhor".

Márcio Melânia

30 janeiro 2017

Devocional para Segunda-Feira, 30 de Janeiro de 2017



Toda a Bíblia concorda a respeito do que significa servir a DEUS.
As Escrituras estabelecem firmemente que, se desejamos servi-lo, devemos crer Naquele a quem o PAI enviou.
Se desejamos saber como receber a graça de DEUS, como abordá-lo, como pagar pelos nossos pecados e receber perdão por eles e como escapar da morte, então devemos fazer o que DEUS quer e crer em CRISTO. Nessa passagem, CRISTO nos diz abertamente o que devemos fazer – crer.
A fé é a obra que devemos realizar. Porém, a fé também é chamada de obra de DEUS. Posteriormente, CRISTO nos diz como podemos crer, pois ninguém pode crer por conta própria. “Ninguém pode vir a mim, se o PAI, que me enviou, não o atrair” (João 6.44). Ele também diz: “Ninguém pode vir a mim, a não ser que isto lhe seja dado pelo PAI” (João 6.65).
Pois a fé é uma obra divina que DEUS nos pede para fazer. Mas, ao mesmo tempo, DEUS precisa dar-nos fé, pois não podemos crer por nós mesmos.
Que passagem maravilhosa! Como um raio, ela atinge toda sabedoria e justiça, toda lei e mandamento, até a lei de Moisés. Ela apresenta diante de nós uma obra diferente – uma obra que está acima e além de nós. Não somos capazes de compreender CRISTO com nossos pensamentos ou com nossa razão. Portanto, a fé não pode ser a nossa própria obra. Nós somos atraídos a CRISTO, mesmo não podendo senti-lo nem vê-lo.

"Senhor, novamente te pedimos, ajuda-nos em nossa pequenina fé."

 Martinho Lutero
adaptado por
Márcio Melânia

29 janeiro 2017

Devocional para Domingo, 29 de Janeiro de 2017



Neste Salmo, vemos a evidência da profundidade do relacionamento de seu autor, Davi, com DEUS.
Davi certamente era um homem segundo o coração de Deus, como diz a Bíblia (1 Samuel 13.14).
Davi faz a diferença convidando DEUS para provar suas inquietações e conhecê-lo. E o foco aqui é diretamente sobre o que está dentro dele. Ele pede que DEUS olhe dentro dele, da sua pessoa interior, descubra e desnude seu íntimo.
Precisamos de humildade para orar como Davi, porque quando oramos desta maneira, estamos pedindo a DEUS para corrigir os nossos problemas, para que possamos novamente ter comunhão com nosso SENHOR, porque o pecado nos separa do nosso PAI celestial.
Quando humildemente admitimos e confessamos nossos pecados a DEUS, nós crescemos em nossa vida cristã.
É somente quando nós somos completamente honestos com DEUS que ELE pode nos ajudar com nossos problemas e nos mostra coisas que muitas vezes nós estamos demasiados cegos para ver.
Precisamos compreender que DEUS já conhece todas as nossas “ofensas”, e provavelmente outras pessoas também as reconhecem. Então, em vez de viver em negação e ser defensivo, precisamos pedir a DEUS por ajuda. Como cristãos, não devemos fugir de DEUS com as nossas lutas, devemos correr para DEUS em busca de ajuda e uma renovada relação com Ele.
Como cristãos, devemos estar solicitando a mesma coisa que Davi estava pedindo ao SENHOR: “Há pensamentos pecaminosos, mas intenções ou falhas que lhe causam dor, SENHOR? Estou magoando alguém? Sonda, ó DEUS, os meus sentimentos e emoções, sonda o meu intelecto e razão, e me faz conhecer se há em mim algum caminho que não TE agrada. Caso haja, ó DEUS, me livre dele e me guie pelo SEU caminho da Vida Eterna."

Márcio Melânia

28 janeiro 2017

Devocional para Sábado, 28 de Janeiro de 2017



Todos desejamos a Paz, que é a ausência de inquietação (ou de ansiedade), tomada como a excessiva preocupação. A Paz é possível quando DEUS guarda nossos corações e mentes em CRISTO JESUS.
As promessas de paz feitas por DEUS na SUA Palavra não são poucas. Há 371 expressões de paz na Bíblia.
Nos encanta em saber que há uma Paz que vem quando lançamos nossas ansiedades sobre os ombros de DEUS, por meio da oração. (Filipenses 4.6,7).
Nosso problema é que pedimos a Paz, mas tendemos a não entregar nossas preocupações a DEUS. Quando eliminamos a preocupação, a Paz de DEUS vem e ela guarda as nossas mentes e os nossos corações, DEUS nos escondendo-nos, protegendo-nos, em JESUS CRISTO; DEUS nos blinda com a Graça; DEUS cobre as nossas vidas com o insulfilm do Seu Amor; DEUS monta guarda diante das casas de nossas vidas; DEUS transforma nossos pensamentos em castelos fortes; é como se seus anjos se acampassem ao nosso redor.
Diz o apóstolo Paulo que, se desejarmos viver na verdade, na honestidade, na justiça, na pureza, na simpatia e na boa fama, DEUS, que é de Paz, estará conosco.
Em Gálatas 6.7,8, está escrito: “Não se deixem enganar; de DEUS não se zomba [ou: DEUS não se deixa escarnecer]; pois o que o homem semear, isso também colherá. Quem semeia para a sua carne, da carne colherá a destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna".
Se plantamos verdade, honestidade, justiça, pureza, simpatia e boa fama, colheremos Paz.
Existe um esperanca infinita onde houver arrependimento.
Queremos paz? As instruções de DEUS estão-nos dadas.
À prática, irmãos.

Márcio Melânia

27 janeiro 2017

Devocional para Sexta-Feira, 27 de Janeiro de 2017



O Salmo 51 é a canção que o rei Davi escreveu após a revelação de seu pecado, que envolvia o adultério com Bate-Seba e a morte do marido dela. Davi havia cometido uma crueldade humanamente indesculpável, duramente condenável por quaisquer padrões de julgamento, e o profeta Natã delatou publicamente o impropério do rei.
Davi reconheceu seu erro, chorou amargamente e clamou a DEUS por misericórdia. Ele implorou que seu pecado fosse lavado e sua culpa fosse apagada. Não se justificou. Não tentou ludibriar, enganar o SENHOR, nem seu profeta. Davi simplesmente suplicou pelo perdão divino, mostrando mais do que a dor do remorso. Ele demonstrou com humildade uma verdadeira disposição para a mudança. Davi se arrependeu no pó e na cinza, desejando ardentemente permanecer na presença do SENHOR.
Pureza de coração tem a ver com simplicidade, confiança e paz interior. Quem não é puro e simples como uma criança, não tem acesso ao Reino de DEUS. Quem é puro ama, se entrega, confia, dedica, serve, doa. Quem é puro não se pergunta sobre as vantagens que pode tirar de seus atos, nem quanto dinheiro pode ganhar com aquilo. Só quem é puro de coração pode ver DEUS (Mateus 5.8).

O espírito inabalável é aquele que chora quando há tristeza, dá risada quando há alegria, mas não se abala em desespero nem se ensoberbece em desprezo. Ele sabe que nem a morte, nem a vida; nem poderes humanos, nem anjos, nem demônios; nem o presente, nem o passado, nem o futuro; nem altura, largura ou profundidade; absolutamente nada no céu, na terra ou debaixo da terra pode o separar do amor de DEUS que está em JESUS CRISTO, nosso SENHOR, porque o espírito reto sabe que é mais do que vencedor por causa desse amor (Romanos 8.37-39).

Hoje, que possamos, como o rei Davi, reconhecer os nossos pecados e fazer a mesma oração ao SENHOR nosso DEUS: "Cria em mim...".

Márcio Melânia

26 janeiro 2017

Devocional para, Quinta-Feira, 26 de Janeiro de 2017



Estamos tão acostumadas com as aparências externas que achamos que DEUS segue o nosso padrão ou que tem olhos limitados como os homens.
Muitos têm uma visão pequena sobre DEUS nesse sentido, tendo uma visão muito elevada de si mesmos.
Por isso, quando olhamos para nós, “todos os caminhos” que marcam nossa vida e nossas escolhas “nos parecem puros”.
Enquanto costumamos ser rigorosos com os erros dos outros, desenvolvemos uma autoindulgência, que não somente perdoa os nossos próprios erros como acabamos nem sequer vendo-os. Aos nossos olhos, tudo que fazemos é bom, nada precisa ser mudado ou corrigido e o modo de fazer as coisas serve, em nossa mente, de padrão para todos os demais.
Entre os que agimos desse modo, muitos fingimos que acreditamos nisso e outros, de tanto mentir para si mesmos, acabam acreditando estar muito perto da perfeição.

DEUS não se impressiona com nada disso. Propaganda é algo que se faz entre homens. Esses acreditam nos enganos divulgados por aí, mas DEUS não.
Salomão aqui, diz em outras palavras que “o SENHOR avalia o espírito”. Isso significa que Deus não somente vê atrás das cortinas desse teatro que é a nossa vida, como também nos vê o coração, ou seja, as intenções mais secretas.
Com isso, ELE pode avaliar perfeitamente a qualidade de cada pessoa e de cada ação praticada e propagandeada como perfeita. E não há como enganá-LO.
DEUS nos informa:, “Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações (Jeremias 17.10).
Agora, olhemos para nós mesmos: até quando fingiremos ser o que não somos, enquanto DEUS vê tudo que está por trás da cortina do nosso coração?
Resta-nos orar: "SENHOR, tenha Misericórdia de nós!"

Márcio Melânia

25 janeiro 2017

Devocional para Quarta-Feira, 25 de Janeiro de 2017



Os cristãos, depois de termos recebido a aprovação de DEUS por meio da fé e depois de sabermos que os nossos pecados são perdoados, não devemos nos tornar superconfiantes e começarmos a pensar que estamos imunes ao pecado. 
Nós ainda enfrentaremos uma luta constante contra o pecado que ainda permanecemos neles, assim como aconteceu com Davi.
Devido à misericórdia e à graça de DEUS, Davi recebeu a aprovação do Senhor e foi santificado por uma justiça completamente fora de si.
A Misericórdia e a Graça de DEUS não são emoções nem atitudes humanas. Pelo contrário, são uma bênção divina que recebemos ao acreditarmos que os nossos pecados foram perdoados em CRISTO.
Por causa de CRISTO, nós podemos esperar misericórdia e compaixão, como Davi o fez no Salmo 51. Assim, a justiça que recebemos é completamente exterior a nós. É uma dádiva genuína de DEUS, que é Compassivo e Misericordioso conosco por causa de CRISTO.
Suponha que um homem que merece a pena de morte seja levado ao tribunal de um príncipe. Mas o príncipe o libertou por compaixão, mesmo ele merecendo nada além da morte. Você não diria que a culpa desse homem foi perdoada não por causa de qualquer coisa que ele tivesse feito, mas por causa da bondade do príncipe misericordioso?
Porém, não basta que esse homem seja perdoado pelo crime cometido. Ele também deve ser libertado da cadeia, deve receber roupas para vestir e deve encontrar um emprego para que possa viver.
O mesmo acontece conosco quando recebemos a aprovação de DEUS. Depois que DEUS, em sua Misericórdia, nos liberta da culpa, nós ainda precisamos do dom do Espírito Santo para nos purificar do pecado que ainda resta em nós.
Nós necessitamos que o Espírito Santo nos fortaleça para que não sejamos dominados pelo pecado e por nossos desejos corrompidos.
Oremos:
SENHOR, não nos deixes cair em tentação, livra-nos do mal, Amém!
Márcio Melânia

24 janeiro 2017

Devocional para Terça-Feira, 24 de Janeiro de 2017



Tiago exorta os irmãos a se desfazerem de algumas coisas, a se livrarem de algumas coisas, a deixarem algumas coisas, a rejeitarem algumas coisas. Eles não devem conviver com elas nem suportá-las. É independência ou morte! Embora amável (ele já os chamou duas vezes de “queridos irmãos”), Tiago entrega o recado inteiro, sem cortes ou animosidades.

Quais são as coisas a que os irmãos devem renunciar? Aproveitando as diversas traduções, o leque todo é: o povo de DEUS espalhado pelo mundo inteiro deve despojar-se de toda conduta imoral, de toda impureza moral, de qualquer imundície, de qualquer mentira. E também de todo acúmulo, de todo excesso, de todo resquício, de todo sinal, de todo tipo, de todo transbordamento e de todo vestígio de maldade.

O padrão de conduta exigido é muito elevado e difícil de cumprir. No entanto, não é por isso que Tiago e os demais escritores do Novo Testamento vão baixá-lo. Tudo isso pode ser resumido numa frase muito curta que aparece no Antigo testamento (Levítico 11.44) e que é transcrita por Pedro na Primeira Carta: “Sejam santos porque EU sou santo” (1Pedro 1.16).

O pecado em todas as áreas deve ser evitado, deixado de lado, vencido, amaldiçoado e abominado. Porém, ele não deve se transformar numa ideia fixa. Em caso de alguma fraqueza, queda ou acontecimento desagradável, a pessoa não deve afrouxar as normas de conduta, relaxar o comportamento, contemporizar o alvo ou desistir de acertar. O procedimento certo é admitir o deslize, arrepender-se dele, confessá-lo, pedir o perdão de DEUS e dos irmãos, aceitar o perdão e a purificação que a verdadeira confissão produz, levantar-se outra vez, continuar a caminhada e saber que os irmãos do mundo inteiro também vivenciam as mesmas quedas.

Quando aceitamos a mensagem de DEUS no coração, encontramos recursos para não pecar!
Ajuda-nos, SENHOR!

Márcio Melânia

23 janeiro 2017

Devocional para Segunda-Feira, 23 de Janeiro de 2017



Este verso, em seu contexto, trata da anunciação do anjo Gabriel a respeito do nascimento de JESUS e o cumprimento da promessa da vinda do MESSIAS.
A demonstração máxima do poder do Altíssimo foi o infinito Criador encarnar como criatura.
O SENHOR manteve a SUA promessa, independente de quão difícil as circunstâncias poderiam parecer.
As promessas de DEUS são bênçãos prometidas pelo próprio. Não podemos ver as promessas de DEUS de igual forma como vemos as promessas de homens, pois as promessas que fazemos não dependem apenas de nós, e mesmo que dependesse apenas de nós ainda assim poderíamos mudar de idéia. Mas as promessas de DEUS, para serem cumpridas, dependem unicamente DELE mesmo, pois ELE tem todo o poder necessário para cumpri-las, e ainda, DEUS não muda de opinião
A declaração de fé de Gabriel a respeito de Deus deveria também ser a nossa afirmação de confiança: para Deus nada é impossível. Se DEUS prometeu, ELE cumprirá SUA promessa.

Oremos, crendo nas promessas de DEUS tendo a certeza que:
“Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!”
Efésios 3.20-21

Márcio Melânia




22 janeiro 2017

Devocional para Domingo, 22 de Janeiro de 2017



Dar o que, se DELE tudo nós recebemos?
Se queremos nos relacionar com Deus de modo sadio, então precisamos ser gratos a DEUS todos os dias e a cada dia perguntar:

Que darei ao SENHOR, por todos os seus benefícios para comigo?

Como o autor deste Salmo chegaremos a conclusão que por mais que tentemos retribuir a DEUS, não chegaremos à altura dos seus favores e bençãos que ELE já nos tem concedido por SUA exclusiva Misericórdia e Graça.

O melhor que eu e você podemos oferecer a DEUS como forma de gratidão, é justamente não sermos ingratos e recusarmos com atitudes os favores que ele nos oferece em CRISTO.

Por isso tomemos o cálice da Salvação, invoquemos o nome do SENHOR e cumpramos nosso votos, adorando-O, pois é digno de louvor.

SENHOR, dar o que, se de TI tudo recebemos?
Seremos gratos e agradaremos somente a TI!

Márcio Melânia

21 janeiro 2017

Devocional para Sábado, 21 de Janeiro de 2017



O que JESUS está dizendo aqui da maneira mais simples, para que tudo isso se aplique a esta única pessoa – CRISTO.
JESUS é chamado “O caminho” porque ELE é o princípio, é chamado “A verdade” porque ELE é o único que nos ajuda a continuar, e também é chamado “A vida” porque ELE é o fim. ELE deve ser tudo – O princípio, o meio e o fim da nossa salvação.

Essa é a razão pela qual nós os cristãos O colocamos como A pedra fundamental sobre a qual as outras pedras são colocadas e sobre a qual toda casa é construída.
ELE é O primeiro, O do meio e O último degrau da escada para o céu (Gênesis 28.12). Pois, por meio DELE, nós devemos começar, continuar e, finalmente, alcançar a vida ultraterrena. Assim, há apenas um CRISTO, mas ELE assume diferentes papéis na nossa experiência de salvação.

No princípio é difícil encontrar o caminho. Depois a vida torna-se ainda mais difícil ao continuarmos a andar por ele. Ela torna-se extremamente dura quando já viajamos pelo caminho por um longo tempo e estamos quase alcançando nosso abrigo final – o céu.

Assim, se nos apegamos a CRISTO com fé, então começamos no lugar certo. Se permanecemos com ELE, então estaremos andando no caminho correto. Se perseverarmos até o fim, então seremos salvos.
CRISTO deseja impedir que nossos corações confiem em qualquer outra coisa. Não há outro caminho, rodovia, ponte ou vereda para nós além de CRISTO.

SENHOR, que os nossos olhos estejam postos em TI! Só em TI há segurança!

Márcio Melânia

20 janeiro 2017

Devocional para Sexta-Feira, 20 de Janeiro de 2017



Todos os cristãos aos quais Tiago escreve somos (ou deveríamos ser) luzes resplandecentes para o mundo inteiro, como Jesus ordenou (Mateus 5.14). Agora, o escritor fala sobre o PAI das luzes, a luz maior, a luz do centro, a luz que nunca deixa de brilhar.
Ninguém se engane, pois é desse “PAI das luzes” (Tiago 1.17) que “os filhos da luz” (Efésios 5.8) recebem tudo de bom e tudo o que é perfeito. Portanto “se alguém se orgulhar, que se orgulhe de me conhecer e de me entender; porque eu, o SENHOR, sou DEUS de Amor e faço o que é justo e direito no mundo” (Jeremias 9.24).

Já que chama DEUS de “o Criador das luzes do céu” ou “PAI das luzes” ou “Pai dos astros”, Tiago obriga-se a dar uma explicação: DEUS é o Criador dos luzeiros do céu, mas não é como eles. O sol e a lua estão sujeitos aos periódicos eclipses que os escondem momentaneamente dos nossos olhos e nos deixam na escuridão. Esse mesmo fenômeno, porém, não acontece com o Criador do sol e da lua, da claridade e da escuridão: “ELE não muda, nem varia de posição, o que causaria a escuridão”, acrescenta Tiago (1.17b).

A natureza muda do calor para o frio, do frio para o calor; o horário do nascer do sol varia de estação para estação e de lugar para lugar; as chuvas não caem de modo uniforme; a maré não é a mesma o dia todo. Graças a essas mudanças, apesar da constante repetição desses fenômenos, o ser humano não se aborrece tanto com a mesmice e a rotina. Nesse caso, a mudança exalta a criatividade e a glória de DEUS. Todavia, o PAI das luzes não pode ser um hoje e outro amanhã; não pode ser bom hoje e mau amanhã; não pode ser santo hoje e imundo amanhã; não pode ser poderoso hoje e fraco amanhã. Nele “não pode existir variação ou sombra de mudança” (1.17b).

DEUS é o mesmo hoje, amanhã e depois! Oremos, pois, para que ELE ajude-nos a espalhar o reflexo de SUA luz neste mundo tenebroso.

Márcio Melânia

19 janeiro 2017

Devocional para Quinta-Feira, 19 de Janeiro de 2017



Mesmo que pareça o contrário, não é o mar que empurra o vento para lá e para cá. É o vento que empurra as ondas do mar para onde quer.
Quem duvida, fica ao léu do vento; é carregado pelo vento; não sabe o que quer; sobe e desce; vira para trás e para frente; para a esquerda e para a direita. Que as ondas do mar sejam assim, não há problema; isso até serve para quebrar a rotina. Porém, que uma pessoa seja assim é um problema sério.
É uma pessoa comandada pelas circunstâncias e pela vontade própria, ambas mutáveis. Este é uma “Maria vai com as outras”, um joguete em mãos alheias. Quem duvida, crê hoje e não crê amanhã, não crê hoje e crê amanhã. É instável, não merece a confiança de ninguém, nem a dele próprio.
Noé recebeu a ordem para construir a arca e foi até o fim, até o dilúvio – mesmo que isso, às outras pessoas, parecesse algo incrivelmente ridículo e improcedente. Abraão não deixou seu próprio país para voltar em seguida, mas seguiu em frente sem saber para onde ia. Quando Deus o quis pôr à prova, Abraão levantou o cutelo para enterrar no peito do filho Isaque, na certeza que Deus era capaz de ressuscitá-lo (Hebreus 11.8, 17-19). Ele não era como as ondas do mar.
Deus confiou a Moisés a incumbência de retirar o povo de Israel do Egito e levá-lo para Canaã, e ele levou quarenta anos para fazer isso. Todos os heróis da fé abraçaram uma causa e nunca a abandonaram, mesmo sendo insultados, torturados até a morte, mortos a pedradas, serrados pelo meio e vivendo em cavernas e buracos na terra (Hebreus 11.35-38). Nenhum deles era como as ondas do mar, que o vento leva de um lado para o outro.
Oremos para que DEUS nos "desamarre" da dúvida e nos capacite com fé.
Márcio Melânia

18 janeiro 2017

Devocional para Quarta-Feira, 18 de Janeiro de 2017



“Quando [as mulheres] voltaram do sepulcro, contaram todas estas coisas aos Onze e a todos os outros… Mas eles não acreditaram nas mulheres; as palavras delas lhes pareciam loucura. Pedro, todavia, levantou-se e correu ao sepulcro. Abaixando-se, viu as faixas de linho e mais nada; afastou-se, e voltou admirado com o que acontecera”. Lucas 24.9-12

Este texto só fala de Pedro e de como teria ficado “admirado”, mas em outro Evangelho vemos que ele estava acompanhado de João na visita ao sepulcro vazio, que quando chegou lá, “viu e creu” (João 20.8). Creu em que, se no sepulcro restavam apenas “as faixas de linho e mais nada” (Lucas 24.12; João 20.6-7)? Creu nas Escrituras que previam a morte e ressurreição do MESSIAS, e nas palavras de JESUS.
O Evangelho de Marcos nos diz que “quando JESUS ressuscitou, na madrugada do primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a Maria Madalena, de quem havia expulsado sete demônios” (Marcos 16.9). Vemos que apareceu também a Pedro, antes do encontro com dois discípulos no caminho de Emaús.

Em sua carta aos Coríntios, Paulo diz que JESUS “apareceu a Pedro e depois aos Doze. Depois disso apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez… Depois apareceu a Tiago e, então, a todos os apóstolos” (1 Coríntios 15.5-8). Ele não menciona as mulheres, pois na época elas não eram contadas como testemunhas. Embora então só restassem onze apóstolos, Paulo fala de JESUS ter aparecido “aos doze”, tratando-os como um corpo administrativo, como quando dizemos que o Congresso aprovou uma lei, mesmo que nem todos os congressistas estivessem presentes à sessão.

Tomé não creu enquanto não o viu com seus próprios olhos e foi convidado a tocar em seu corpo.
Talvez até consideremos Tomé feliz por tamanho privilégio, mas não é o que JESUS pensa dos que querem ver para crer: “Disse-lhe Tomé: ‘SENHOR meu e DEUS meu!’ Então JESUS lhe disse: ‘Porque me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram’.”
Que a reprimenda feita a Tomé sirva para nós também: “Pare de duvidar e creia”, disse JESUS a Tomé e ELE diz o mesmo a nós (João 20.27-29).

Oremos, pedindo ao SENHOR que aumente a nossa fé tão pequenina! Que creiamos agora, SENHOR!

Márcio Melânia

17 janeiro 2017

Devocional para Terça-Feira, 17 de Janeiro de 2017



Este verso encontra-se no livro de Provérbios, 14.26.
Salomão, seu autor, menciona “o temor do SENHOR” como o melhor programa de refúgio e segurança relacionado com o ser humano.
Ao falar do “temor do Senhor”, ele está se referindo à obediência respeitosa aos conselhos divinos.
Ninguém que segue à risca o GPS bom e atualizado corre o risco de perder-se no caminho.
O melhor GPS que indica o melhor Caminho para nós é a Bíblia. Ela nos mostra um destino glorioso para cada um de nós.
O ingrediente mais importante na vida de uma pessoa vitoriosa é um coração de cristão que obedece.
Não se trata de servilismo barato e irracional, e sim de uma obediência consciente aos conselhos de alguém que conhece o caminho melhor do que nós.
Toda a nossa família será beneficiada, não apenas você, mas também seus filhos e os filhos de seus filhos.
O poder de sua influência levará a família toda a respeitar os princípios protetores da vida.
Com esse pensamento em mente, enfrentemos os desafios de hoje. Não temamos. Estamos protegidos pelas promessas maravilhosas de DEUS.
E que nunca nos esqueçamos: “No temor do SENHOR, tem o homem forte amparo, e isso é refúgio para os seus filhos.”

“Aqui está a conclusão: Tema a DEUS e obedeça aos Seus mandamentos, porque isso é o essencial para o homem.” Eclesiastes 12.13-14

Alexandro Bullon, adaptado por Márcio Melânia


16 janeiro 2017

Devocional para Segunda-Feira, 16 de Janeiro de 2017



Neste Salmo 86, o rei Davi demonstra um constante e profundo desejo de se relacionar com DEUS.

Ele apresenta a sua grande necessidade e a grande misericórdia de DEUS como razões para a garantia de que Deus irá ajudá-lo (versos 1 e 5).

Neste verso 7, o verbo aqui utilizado em hebraico é aquele de que deriva o substantivo ouvido. Significa, literalmente, usar as orelhas, termo bastante forte para ser utilizado como paralelo ao mais comum, ouvir.

É quase sempre empregado para instar o homem (ou a natureza) a escutar o SENHOR (Isaías 1.2), mas às vezes, como aqui, é usado por alguém em um apelo para que DEUS o ouça.

DEUS demonstra SUA generosa condescendência ao permitir que Seus servos falem desse modo com ELE.

Portanto, podemos orar como Davi, dizendo: "Senhor Deus, nas provações que enfrento, somente em Ti busco ajuda e conforto."

DEUS sempre escuta e responde as nossas orações.

Márcio Melânia

15 janeiro 2017

Devocional para Domingo, 15 de Janeiro de 2017



Este é um dos salmos mais alegres e bonitos do salterio. Entre os salmos de louvor ele tem sido chamado de “O Pico da Montanha Mais Alta”, porque nos eleva a alturas espirituais de perder o fôlego.
O Salmo 103 mostra-nos como falar para nós mesmos e ensinar à nossa alma a se lembrar de todos os benefícios do SENHOR: como ELE perdoa os nossos pecados, cura as nossas doenças, nos redime da destruição, coroa-nos com graça e misericórdia e satisfaz nossa boca com coisas boas. Ele nos mostra de que modo proceder a fim de louvar a DEUS.
Dentre muitos motivos para louvar a DEUS este verso nos fala da misericórdia DELE.
A figura da “coroação” deve ser compreendida aqui como uma “concessão”. Significa que o homem não merece a misericórdia que recebe de DEUS, mas a recebe assim mesmo porque o SENHOR escolheu manter sentimentos positivos, expressos pelas palavras “amor” e “compaixão”, a fim de atuar na nossa vida.
Se olharmos para dentro de nós, com siceridade, perceberemos que somos indignos de receber tal "coroa".
Este é o motivo para que a cada manhã que acordamos, elevemos os nossos pensamentos a DEUS e digamos: "Obrigado, SENHOR, por mais uma vez renovares a TUA misericórdia!"

Hoje é um bom dia para agradecer a Deus, dediquemos momentos a ELE.

“Que todo o meu ser Te louve, ó SENHOR!” (v. 22b).

Márcio Melânia




14 janeiro 2017

Devocional para Sábado, 14 de Janeiro de 2017




Na ​nossa ​caminhada ​cristã​,​ a tribulação e as adversidades não fazem a pessoa; apenas mostram do que ela é feita.
Revelamos nosso valor quando nossa fé é provada.
​Obviamente, D​EUS conhece os nossos corações mesmo antes de sermos provados, mas nós não conhecemos nosso valor.
Não é possível ter vitória sobre as tribulações confiando apenas em nós mesmos; mas é possível ser​mos vitoriosos se confiarmos plenamente em ​DEUS.
Por isso o cristão autentico faz da oração um estilo de vida.
É a maneira mais que certa de comunicar-se diretamente com DEUS​.
Para um aparelho de celular funcionar com exatidão é necessário sempre carregá-lo. O apóstolo Paulo orava sempre por seus amigos e companheiros de missão, pois eles precisavam estar sempre ativados, ligados, carregados em uma fonte real de Graça e de Poder: DEUS.
Não se esqueça de orar, busque a Deus em sua casa, no trabalho, no interior de seu carro, ​onde você estiver. Faça da oração um hábito, consulte ao S​ENHOR antes de tomar quaisquer decisões.
O cristão que ora vence as tribulações e tem sempre um ​depoimento apara compartilhar com aqueles que estão fracos na fé.
Ora​r sem cessar​.
​Só assim venceremos ​os dias difíceis​.

Márcio Melânia

13 janeiro 2017

Devocional para Sexta-Feira, 13 de Janeiro de 2017



No contexto deste versículo de hoje, DEUS está dizendo ao profeta Isaías “esqueçam o que se foi; não vivam no passado.”
Depois de uma forte exortação para esquecer as coisas passadas, o SENHOR diz: “Veja, eu estou fazendo uma coisa nova! Vocês não a reconhecem?“  Esta questão é vital para entender como viver no passado nos afeta.
A percepção de alguém que luta com o desapego do passado literalmente se torna embotada — impedindo-nos de “ver” as coisas boas que o SENHOR está fazendo ao nosso redor. DEUS não quer que a gente esteja indo pela vida olhando no espelho retrovisor.
Está na hora de olhar para frente e focar no que está adiante de nós. DEUS quer fazer coisas nova em nossas vidas. ELE quer que nós subamos até o nosso total potencial NELE.

Oremos, para que nossos olhos sejam abertos para vermos as coisas novas que DEUS está fazendo para nós!

Márcio Melânia

12 janeiro 2017

Devocional para Quinta-Feira, 12 de Janeiro de 2017



 A grande dificuldade para esperar é a dúvida se vai acontecer o que se espera.
Esperar não é fácil.
Vivemos um tempo em que tudo acontece com rapidez e as pessoas estão dispostas a pagar para não esperar.
A sociedade moderna é imediatista, é "self-service".
 Contudo, a vida já começa com a espera de nove meses para nascer e continua com uma sequência de esperas até o fim.
A Esperança é a continuação da fé. Ter esperança é esperar acreditando. Quem espera com dúvida, não tem esperança.
Por isso devemos esperar no SENHOR, pois sabemos que não seremos decepcionados por ELE. Esperar em DEUS é ter certeza de resposta no tempo certo. Este é o grande segredo.
Muitas vezes passamos por situações que são para nos ensinar a ser perseverantes e aprender a esperar porque “a tribulação produz perseverança e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança” (Romanos 5.3,4).

Oremos para que DEUS aumente nossa Esperança, mesmo que através das tribulações. SENHOR, ajuda-nos em nossa falta de Fé!

Esperar no SENHOR é ter fé!

Márcio Melânia

11 janeiro 2017

Devocional para Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017



Podemos afirmar que a mensagem central do livro de Josué é resumida na frase: "DEUS é fiel às SUAS promessas. Confie NELE."
Os três versículos posteriores ao citado acima são o coração do livro.
Neles três vezes Josué declara: DEUS fez o que prometeu que faria. “O SENHOR deu tudo que tinha prometido.” (v. 43)
“O SENHOR lhes concedeu descanso, como tinha jurado aos seus antepassados.” (v. 44)
“De todas as boas promessas do SENHOR, nenhuma delas falhou; todas se cumpriram.” (v. 45). Os cristãos quando forçados a ficar em pé no cruzamento entre a fé e a descrença, devemos escolher acreditar!
O povo de DEUS arriscamos acreditar!

Oremos, para que possamos aprender com Josué. Arrisquemos. Creiamos em DEUS. ELE fará o que ele prometeu que faria!

Márcio Melânia

10 janeiro 2017

Devocional para Terça-Feira, 10 de Janeiro de 2017



O profeta Jeremias (este sim, era profeta),  encontrava-se na prisão injustamente e DEUS o aconselha a orar. Durante quarenta anos, o profeta Jeremias tinha advertido que Judá e Jerusalém seria destruída por seus pecados e, agora, os exércitos de Babilônia estavam nos muros da cidade. Zedequias, o rei não quer que ele profetize a ruína de Judá, de modo que Jeremias foi lançado em uma cova na prisão. Para o pensamento humano foi além de qualquer dúvida que as promessas de Deus para Israel iriam falhar. Foi exatamente nessa época sombria que Deus vem ao Seu servo com palavras de encorajamento. Esta era a situação.

Quanto à nós, que passamos por tribulações e problemas muitos menores porque passou Jeremias, o que estamos fazendo que ainda não entabulamos esta conversa particular com Deus?

Não há nada difícil para DEUS. Não há nada que Ele não possa fazer, pois ELE é capaz de fazer todas as coisas. Além da nossa compreensão ELE fará muito mais. “Como os céus são mais altos que a terra, assim são os meus caminhos mais altos que os vossos caminhos e meus pensamentos do que seus pensamentos” – Isaías 55.9

Precisamos crer no DEUS “que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos" – Efésios 3:20. Precisamos confiar e crer NELE. 

DEUS sabe todas as coisas e ELE tem controle dos acontecimentos humanos, e do tempo, para seu próprio propósito. ELE sabe de nossas necessidades, ELE sabe de nossas fraquezas, ELE sabe o que nós enfrentamos e ELE quer que “clamemos" a ELE.

A oração leva-nos até ao alto, acima do tumulto e turbilhão do presente, das angústias do passado e da ansiedade do futuro, para entendermos os propósitos de DEUS. Quando clamamos em oração ELE nos anuncia coisa incríveis que não sabemos.

Oremos, pedindo ao SENHOR que escute o nosso clamor e nos revele a Sua Misericórdia para conosco e as coisas que ainda não sabemos.

Márcio Melânia

09 janeiro 2017

Devocional para Segunda-Feira, 09 de Janeiro de 2017



JESUS está iniciando as instruções para os discípulos preparando-os para SUA partida. Judas está para traí-lo (13.2); a SUA hora de passar deste mundo para o PAI é chegada (13.1). Duas vezes JESUS afirma: Para onde EU vou, vós não podeis ir (13.33, 36).
A partida de JESUS significa solidão e abandono para os discípulos. Os corações estão turbados. AQUELE que curou o cego (cap. 9), que ressuscitou Lázaro (cap. 11) e sempre estivera com eles, faltará.
Para dentro desta situação JESUS exclama: "Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim."
As palavras de JESUS soam como ordens para eles e também para nós hoje. Nada deve abalar a nossa fé.
O convite de JESUS também é para crer NELE. Crer significa olhar para JESUS e esperar DELE todo o bem. "... quem realmente se deixa orientar por este chamado, está colocado num caminho que conduz para fora de incerteza e perturbação (Brandt)." Oremos, para que toda turbação, todo o temor sejam afastados de nós pela Graça que CRISTO nos concede de graça, que ELE mesmo aumente nossa fé.

Márcio Melânia

08 janeiro 2017

Devocional para Domingo, 08 de Janeiro de 2017



Quando o choro toma conta de nós, parece que tudo vira noite escura. Mesmo quando, lá fora, o sol está radiante e cálido.
Pior ainda, parece que a alegria dos outros só faz nossa tristeza tornar-se pior e desrespeitada.
“O choro pode durar uma noite” e, na verdade, dura. Quanto mais quentes e sentidas são nossas lágrimas, mais comprida e triste parece nossa noite.
O choro do cristão, entretanto, é condenado a durar por uma noite. Para aquele que tem o Amor de CRISTO, não existe lágrima que não seja enxugada pelo Senhor.
Após a noite do pranto, temos o direito e até o dever, de esperar pela manhã que CRISTO, com SUA luz e poder, substitui o choro pela alegria.
A manhã de CRISTO sempre nasce em nossa alma, por mais doloroso que tenha sido o nosso choro.
Por mais humilhante e raivoso que tenha sido o choro, o SENHOR nos inunda com alegria, pelo poder curativo do SEU Amor logo de manhã.
Davi, autor deste Salmo, nos garante que nosso choro não será contínuo, sem fim:  "A alegria vem pela manhã". Sempre.
Oremos, para que nossa noite e a de muitos outros como nós, passe depressa, e que vislumbremos a Alegria do Senhor ao amanhecer.

"...a Alegria do SENHOR é a nossa força." Neemias 8.10

Márcio Melânia

07 janeiro 2017

Devocional para Sábado, 07 de Janeiro de 2017



"Deus criou então o homem semelhante ao seu Criador; assim Deus criou o homem. Homem e mulher - foi assim que os fez." (Gênesis 1.27)

O aparecimento dos seres humanos foi o clímax da atividade criativa de DEUS, e a forma como o Gênesis expressa este clímax é descrevendo-os como tendo sido criados “à imagem de DEUS”.

Se observarmos esta expressão tanto no contexto imediato de Gênesis quanto na perspectiva mais abrangente das Escrituras, parece ficar claro que ela se refere a todas aquelas qualidades ou capacidades humanas que nos diferenciam dos animais e nos aproximam de Deus.

A primeira capacidade é que, como seres humanos, somos racionais e temos consciência de nós mesmos. A segunda é que somos seres morais; temos uma consciência que nos conclama a fazer o que percebemos como certo. A terceira é que somos criativos, tal como o nosso Criador, qualificados para apreciar aquilo que é belo aos ouvidos e aos olhos. A quarta é que somos seres sociais, qualificados para estabelecer com outras pessoas relacionamentos verdadeiros de amor, pois DEUS é Amor e, ao nos fazer à sua imagem, ELE nos deu a capacidade de amá-LO e de amar aos outros. Por último, temos uma capacidade espiritual que nos faz sentir fome de DEUS. Assim, somos os únicos seres capazes de pensar, escolher, criar, amar e adorar.

Precisamos acrescentar que a imagem de DEUS em nós foi desfigurada, do mesmo modo que nossa humanidade foi contaminada pelo egocentrismo. A imagem de DEUS, no entanto, não foi destruída. Pelo contrário, tanto o Antigo quanto o Novo Testamento afirmam que os seres humanos ainda carregam em si a imagem de DEUS e por essa razão devemos respeitá-los. O caráter sagrado da vida humana se origina do valor que decorre da imagem de DEUS. Os seres humanos somos seres parecidos com DEUS. Merecemos ser amados e servidos.

Oremos para que o Amor de DEUS nos constranja a amar o próximo como ELE nos amou.

Márcio Melânia

06 janeiro 2017

Devocional para Sexta-Feira, 06 de Janeiro de 2017



Todo cristão sincero nos identificamos com Pedro em seu fracasso.
Um pouco antes Jesus tinha avisado: “‘Simão, Simão, Satanás pediu vocês para peneirá-los como trigo. Mas eu orei por você, para que a sua fé não desfaleça. E quando você se converter, fortaleça os seus irmãos’. Mas ele respondeu: ‘Estou pronto para ir contigo para a prisão e para a morte’”. (Lucas 22.31-33). Satanás queria peneirar todos eles como trigo, mas Simão Pedro corria maior risco. Sua fraqueza estava na confiança própria.
A autoconfiança é vista na carreira profissional como vantagem competitiva, e pode até ser quando o contrário disso é o desânimo, a falta de coragem e sentimento de auto-piedade. Possuímos um recurso muito mais seguro e eficaz que a autoconfiança: a confiança que vem do alto.
Podemos até ‘confiar no meu taco’, como costumamos dizer, por nosso empenho em treinar para uma competição, estudar para uma prova ou nos capacitar para um emprego. Como cristãos sabemos que precisamos de outro tipo de confiança para não irmos sozinhos à luta.
Muitos confundem ‘confiar em Deus’ com uma atitude de comodismo, de deixar ‘ao Deus dará’ ou esperar que as coisas caiam do céu. A Bíblia mostra que não é bem assim. “Prepara-se o cavalo para o dia da batalha, mas o Senhor é que dá a vitória” (Provérbios 21:31).
É responsabilidade humana o preparar-se, o planejamento, mas a vitória é divina.
Repare que é o Senhor o construtor, mas alguém assenta os tijolos. É o Senhor quem vigia a cidade, mas existe uma sentinela montando guarda. (Salmos 127.1).
Confiar em si mesmo foi a ruína de Pedro. De nada adiantaria Pedro culpar outros ou tentar se defender. Ele havia sido peneirado como trigo e falhara, mas mesmo assim continuava trigo, não joio.
 “Quem esconde os seus pecados não prospera, mas quem os confessa e os abandona encontra misericórdia” (Provérbios 28.13). Pedro “saindo dali chorou amargamente” (Lucas 22.61-62). Ele não apenas chorou, mas saiu dali, abandonando a companhia dos inimigos do Senhor e a falsa sensação de conforto daquela fogueira.
Oremos, pedindo perdão por nosso excesso de autoconfiança, depositando NELE nossa fé.

Márcio Melânia

05 janeiro 2017

Devocional para Quinta-Feira, 05 de Janeiro de 2017



Nossa vida cristã tem duas dimensões: a primeira é a fé, e a segunda são as boas obras.
Um cristão deve viver uma vida devota e sempre fazer o que é certo.
Porém, a primeira dimensão da vida cristã – a fé – é a mais importante.
A segunda dimensão – as boas obras – não é tão valiosa quanto a fé.
Entretanto, as pessoas ao redor do mundo adoram as boas obras. Elas as consideram muito superiores à fé. As boas obras são sempre avaliadas como muito superiores à fé.
É verdade que devemos fazer boas obras e respeitar a importância delas. Mas devemos ser cuidadosos para não elevarmos as boas obras a tal ponto que a fé em Cristo se torne secundária.
Se as estimarmos demais, as boas obras podem tornar-se a maior das idolatrias. Isso tem acontecido tanto dentro quanto fora do cristianismo.
Algumas pessoas valorizam tanto as boas obras que negligenciam a fé em Cristo. Elas pregam sobre as suas próprias obras e as louvam em vez de fazer isso com as obras de Deus.
A fé deve vir em primeiro lugar. Depois de pregarmos e praticarmos a fé, então, devemos ensinar as boas obras.
É a fé – sem as boas obras e antes das boas obras – que nos leva ao céu. Nós chegamos a Deus somente por meio da fé.
Márcio Melânia

04 janeiro 2017

Devocional para Quarta-Feira, 04 de Janeiro de 2017



Você vai concordar comigo quando digo que DEUS é bom e nos tem agraciado com a Sua misericórdia.
O salmista nesse versículo pergunta-se a si mesmo como agradecer ao SENHOR pelo que lhe foi concedido.
Quando entendemos a bondade de DEUS, a nossa primeira atitude precisa ser de completa submissão e gratidão àquele que nos criou, nos guarda, nos salvou através do sacrifício de JESUS na Cruz e nos dá a certeza da salvação eterna.
O que o SENHOR quer de nós? Que o amemos com inteireza de coração, que andemos em sua presença e que não deixemos de cumprir com o prometido a Ele em nossas orações.
Comprometamo-nos com isto: louve-O em todas as situações. ELE é bom em todo o tempo e o tempo todo.

Márcio Melânia

03 janeiro 2017

Devocional para Terça-Feira, 03 de Janeiro de 2017



Este é um texto bíblico fantástico, pois além de ser uma explosão de louvor e admiração a DEUS, por parte do apóstolo Paulo, também é uma ordem divina, uma vez que Paulo não o escreveu fazendo poesia, mas, divinamente inspirado.
Paulo nos mostra que o propósito primordial do homem é glorificar a DEUS, pois o homem pertence a ELE; e, em segundo lugar, satisfazer-se em DEUS plenamente, ainda que com certa limitação, até desfrutá-LO eternamente, na Glória.
Encontramos em DEUS a razão para viver: SUA glória! Tudo o que fazemos, tudo o que somos deve ser para SUA Glória! Como não desejar glorificar ÀQUELE que nos amou quando ainda éramos repulsivos?
Santo Agostinho entendeu plenamente essa dádiva. Entendeu que somente em CRISTO e por CRISTO vale a pena viver. Em uma de suas famosas orações declarou: “Fizeste-nos para TI, e nosso coração não encontra descanso enquanto não repousa em TI”.
O reformador Calvino afirma que Paulo ensinou não haver parte alguma em nossa vida ou conduta, que não esteja relacionada com a glória de DEUS.
Desta forma, não andemos mais sem objetivos, entristecidos ou como um galho que desce a correnteza do rio – sem rumo certo, sem direção. Fomos criados e vivemos para glorificar a DEUS, e só assim, quando isso praticarmos, encontraremos a Paz que tanto procuramos em vão.
Que todas as nossas atitudes diárias, nossos relacionamentos, nosso trabalho, nossas atividades religiosas, nossos casamentos, nossa vida, sejam norteados por esta Verdade.
Que nunca escape de nós esta lembrança, confiando sempre que, ainda que passemos por momentos de amarguras e dificuldades, nosso dever é glorificá-LO, tendo em mente SUA companhia nos fortalecendo hoje; e SEU desejo, manifestado por Sua promessa, é estarmos eternamente com ELE, sendo glorificados por SUA Glória.

Márcio Melânia

01 janeiro 2017

Devocional para Segunda-Feira, 02 de Janeiro de 2017



Para os cristãos há duas maneiras de crer.
Uma delas é crer a respeito de DEUS, o que significa que cremos que aquilo que é ensinado sobre DEUS é realmente verdade. É semelhante a crer que aquilo que é ensinado sobre o demônio ou sobre o inferno é verdade. Esse tipo de crença é mais uma declaração de conhecimento do que uma expressão de fé.
A outra maneira é crer em DEUS. Isso inclui não apenas crer que aquilo que é ensinado sobre DEUS é verdade, mas também confiar NELE e atrever-se a estar em relacionamento com ELE. Significa crer, sem dúvida alguma, que ELE é realmente o que diz ser, e que ELE fará tudo o que diz que fará. Não acreditaríamos em qualquer pessoa com essa mesma intensidade, não importando o quanto outras pessoas fossem capazes de louvá-la. É fácil acreditarmos que alguém é piedoso, mas outra coisa bem diferente é confiarmos completamente nele.
Os cristãos que acreditamos em DEUS creem em tudo que está escrito a respeito DELE nas Escrituras. Ousamos acreditar nisso na vida e na morte.
Essa fé nos faz verdadeiros cristãos e dá a nós tudo que desejamos de DEUS.
Uma pessoa com um coração ruim, hipócrita, não pode ter esse tipo de fé, pois se trata de uma fé viva, como é descrita no primeiro mandamento: “Eu sou o SENHOR, o Teu DEUS […] não terás outros deuses além de MIM” (Êxodo 20.2-3).

Portanto, a pequena palavra "em" é bem colocada e deve ser observada cuidadosamente. Na recitação do credo nós não dizemos: “Eu creio DEUS PAI” ou “Eu creio sobre DEUS PAI”, mas “Eu creio em DEUS PAI, em JESUS CRISTO, no ESPÍRITO SANTO”. Somente DEUS pode dar-nos esse tipo de fé.

Que neste ano, o próprio DEUS nos conceda (aos que não tem) e amplie esta fé!

Márcio Melânia

Devocional para Domingo, 01 de Janeiro de 2017


Em janeiro de 2016, enquanto estava de férias, plantei algumas árvores no quintal de minha família. Depois de basicamente um ano, apenas duas tinham crescido. As outras duas ficaram do mesmo tamanho.

Na altura certifiquei-me que eram mudas saudáveis de plantas da própria região, portanto, adaptadas ao clima. Mas, obviamente, havia um problema. Afinal, o que as impediu de crescer?

O problema era que aquela parte do terreno acumulava muita água, dificultando a raiz de obter oxigênio e nutrientes. E assim aquelas mudas ficaram estagnadas, não se desenvolveram.

Há momentos de nossa vida que são assim. Mesmo acumulando experiência, mesmo achando que estamos preparados, diante de certos problemas ficamos como aquelas plantas.

Nos vemos paralisados, estagnados, improdutivos. Não conseguimos avançar, ficamos como que patinando, pensando no passado, se arrastando no presente e cegos para o futuro. Assim somos vencidos pela tristeza e até mesmo depressão.

Voltando às plantas, resolvi mudá-las de lugar. Coloquei-as em terreno menos úmido, com mais sombra. Pela primeira reação acredito que elas gostaram. Tenho esperança que daqui um tempo elas cresçam como as outras!

Lembre-se que as crises que passamos são também oportunidades de mudança. De experimentar “outro terreno”, de sair da zona de comodismo enganosa que nos paralisa, de enfrentar novos desafios e nos sentirmos vivos de novo.

Mas é surpreendente o número de pessoas que se acovardam diante de mudanças necessárias e acabam prolongando ainda mais seu sofrimento. E quando resolvem mudar, imediatamente pensam: por que não fiz isso antes?

Soren Kierkegaard afirmava que “a vida só pode ser compreendida, olhando-se para trás; mas só pode ser vivida, olhando-se para frente”. Portanto aproveite a oportunidade de um ano que se inicia e mude aquilo que não está funcionando em sua vida!

Que neste ano que se inicia estejamos atentos àquilo que Deus quer que nós mudemos. E como aquelas plantas, em novo terreno, possamos crescer, avançar e frutificar para a glória do Senhor!

Rev. Andrei de Almeida Barros
Google