18 março 2017

Devocional para Sábado, 18 de Março de 2017




O evangelista João nos diz que seu objetivo último em escrever seu Evangelho foi o de que seus leitores recebessem vida através de JESUS CRISTO.
E para que recebam vida através de JESUS CRISTO, eles devem crer em CRISTO; e para que creiam em CRISTO, João selecionou alguns sinais que dão testemunho de CRISTO.
Desse modo, o testemunho leva à fé; e a fé, à vida.
Na verdade, João vê seu Evangelho como testemunho de CRISTO.
É quase como se o seu Evangelho fosse o cenário de um tribunal e CRISTO estivesse sendo julgado.
Uma sucessão de testemunhas é chamada, começando com João Batista.
E o julgamento continua com a apresentação de sete sinais milagrosos; cada um deles é uma declaração dramatizada:

1. JESUS transformou água em vinho, declarando inaugurar uma nova ordem.
2. e 3. JESUS realizou dois milagres de cura, declarando dar uma nova vida.
4. JESUS alimentou cinco mil pessoas, declarando ser o Pão da vida.
5. JESUS andou sobre as águas, declarando que os poderes da natureza estavam sob sua autoridade.
6. JESUS deu vista a um cego, declarando ser a Luz do mundo.
7. JESUS ressuscitou Lázaro dentre os mortos, declarando ser a ressurreição e a vida.

Há ainda outro lado do testemunho de João acerca de JESUS.
Os sete sinais, registrados na primeira metade de seu Evangelho, são sinais de SEU poder e de autoridade.
Na segunda metade de seu livro, no entanto, João registra sinais de SUA fraqueza e de humildade — primeiro no lavar dos pés dos discípulos e então na cruz, que João vê como a glorificação de JESUS.
Para resumir, o Evangelho de João possui duas partes: a primeira parte é o Livro dos Sinais; e a segunda é o Livro da Cruz. Em ambos, no entanto, por todo o Evangelho, João está dando testemunho de JESUS a fim de que seus leitores creiam NELE e recebam DELE a vida.

"SENHOR, que o testemunho de TEU Santo Filho, que demonstrou autoridade e poder, sejam  revelados em minha vida e na vida de meus irmãos. Assim seja."


John Stott,
com pequenas adaptações de
Márcio Melânia

Postar um comentário
Google