20 setembro 2006

Juventude brasileira está na contramão da ética


Irresponsabilidades da adolescência, tais como dirigir sem habilitação e falsificar carteira de estudante, estão virando comportamento cada vez mais comum entre meninos e meninas de 14 a 18 anos. A conduta aparece em números da pesquisa Ibope realizada com 812 jovens cariocas de todas as regiões da cidade, das classes A à E, do Ensino Fundamental ao Médio das redes particular e pública. Todos foram questionados sobre o que pensam sobre ética e vida em sociedade. Os dados serão divulgados hoje.

Os números assustam: 39% dos adolescentes responderam que muitos jovens de sua idade fazem pegas de carros. A maioria, 57%, assume que vive o aqui e agora, sem se preocupações com o futuro.

O estudante P.F., 18 anos, reconhece ter utilizado carteira de identidade que não era a sua aos 14 anos: “O filme que eu queria ver com os meus amigos era para maiores de 16. Não pensei duas vezes e peguei a identificação do meu primo. Não ia deixar de assistir”. Trinta e seis por cento dos entrevistatados crêem que essa é a atitude da maioria dos jovens.

“Colar na prova também é cultura”. Assim é entitulada comunidade no Orkut (site de relacionamento) adotada por quase mil jovens. Nela, os adolescentes contam, com orgulho, como fazem para driblar a vigilância de seus professores na escola. De acordo com a pesquisa do Ibope, 62% dos jovens entrevistados admitiram que colar é prática da maioria.

Faltam limites - Para o terapeuta familiar Moisés Groisman, autor do livro ‘O Código da Família’, esse comportamento se deve à falta de freio dentro da própria casa. “Sendo assim, eles ficam sem limites do lado de fora também”, analisou o especialista. Segundo ele, o relacionamento entre o adolescente e os pais se reflete nas atitudes do jovem em todos os aspectos sociais de seu dia-a-dia.

Necessidade de aceitação - Pesquisadores também perguntaram aos jovens sua opinião sobre quem acha uma carteira recheada de dinheiro e não se dá ao trabalho de identificar o dono para devolvê-la. Para 36% deles, esse é o comportamento de muitos adolescentes, também aceito por 16% dos entrevistados. Para 29%, quem tem ética é passado para trás e vale atropelar alguém para obter sucesso.

A comunidade do Orkut “Para quem curte pega de carro” tem 472 membros cadastrados. “Pô, é muito bom fazer 360 e 720 (cavalo-de-pau)”, escreveu um deles.

Para a psicóloga Cláudia Bueno Silveira algumas condutas refletem a necessidade do jovem de ser aceito em grupos. “Quando vale qualquer coisa para ‘pertencer’, pais precisam se preocupar com os valores que os filhos estão adquirindo”. (O Dia)
Postar um comentário
Google